NOTÍCIAS
07/08/2015 14:00 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:53 -02

Aliado de Cunha, relator da CPI do BNDES José Rocha recebeu doações de empresas investigadas pela Operação Lava Jato

Montagem/Câmara dos Deputados e Estadão Conteúdo

Escolhido como relator da CPI do BNDES, o deputado federal José Rocha (PR-BA) recebeu R$ 796 mil em doações eleitorais de quatro empresas beneficiadas por recursos do banco – três delas investigadas na Operação Lava Jato. É o que mostra a prestação de contas feita pelo parlamentar junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A notícia foi primeiramente dada pelo Valor Econômico.

Da frigorífica JBS o parlamentar recebeu R$ 300 mil, enquanto as empreiteiras UTC (R$ 202 mil), Andrade Gutierrez (R$ 200 mil) e OAS (R$ 94 mil) – as três últimas são alvo dos investigadores da Polícia Federal (PF) e da Justiça Federal de Curitiba pelo escândalo de corrupção na Petrobras –, sendo que os valores correspondem a quase 70% do total de R$ 1,151 milhão declarados por Rocha.

A CPI do BNDES, criada no dia 17 de julho, pretende investigar empréstimos considerados suspeitos pela Lava Jato. O BNDES concedeu, entre 2003 e 2014, financiamentos de mais de R$ 2 bilhões para empreiteiras citadas na operação. O requerimento também pede a apuração de empréstimos classificados como secretos, concedidos a países como Angola e Cuba.

No caso da JBS, a comissão poderia se interessar pelos R$ 7,5 bilhões que a empresa recebeu em empréstimos do BNDES. Durante investigações do Tribunal de Contas da União (TCU), o BNDES tentou manter o sigilo das operações, o que acabou negado pelo Superior Tribunal Federal (STF).

Quanto aos valores recebidos de empresas envolvidas na Lava Jato, Rocha não se pronunciou. Na quinta-feira, logo após ser escolhido para a relatoria – a presidência da CPI ficará com Marcos Rotta (PMDB-AM) –, o parlamentar baiano adiantou que o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, será o primeiro a depor, porém disse que não permitiria “o uso político” da comissão.

“Essa comissão tem uma responsabilidade muito grande. Nós vamos tratar de um tema que envolve o maior banco de fomento do mundo, que é o BNDES. Nós temos que ter muita serenidade, responsabilidade e compromisso com o País. É nesta linha que nós vamos desenvolver nosso trabalho”, comentou. O relator deve apresentar o plano de trabalho na próxima terça-feira (11).

Integrante da Bancada da Bola na Câmara, Rocha é tido como um aliado político do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) - a quem chegou a presentear com uma camisa do Vitória -, mesma condição do colega Marcos Rotta. Todavia, o parlamentar do PP garantiu que não permitirá a interferência “nem mesmo do presidente da Casa”.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:


LEIA TAMBÉM

- ASSISTA: "Cunha está preparando o terreno para assumir a presidência", diz petista

- Como a escolha do procurador-geral é essencial no combate ao mercado bilionário de corrupção

- PESQUISA: 'Congresso independente' ainda permite aventuras políticas

- CINCO motivos para VOCÊ temer o fim do recesso do Congresso