NOTÍCIAS

"Apoiarei a reeleição do prefeito Haddad", diz Paulo Maluf após pré-candidatura de Datena pelo PP em São Paulo

29/07/2015 10:44 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02
Montagem/Estadão Conteúdo

Presidente do diretório paulista do Partido Progressista (PP) até o ano passado, o deputado federal Paulo Maluf (SP) afirmou nesta quarta-feira (29) que apoiará a reeleição do atual prefeito da capital paulista, Fernando Haddad (PT), nas eleições municipais do ano que vem.

O posicionamento vem menos de 24 horas após o apresentador José Luiz Datena, da Rede Bandeirantes, ter firmado um acordo para ser candidato à Prefeitura de São Paulo em 2016. O deputado estadual Delegado Olim (PP) foi indicado como o seu vice.

“A única coisa que falarei a respeito é que eu, Paulo Maluf, apoiarei a reeleição do prefeito Fernando Haddad no ano que vem”, informou o parlamentar, por meio de sua assessoria de imprensa ao Brasil Post.

Ainda de acordo com Maluf, é preciso ainda que o PP confirme a candidatura. “A Executiva estadual, hoje dirigida pelo (deputado federal) Guilherme Mussi, tem autonomia para decidir pelo partido, mas a minha posição pessoal é essa”, completou.

As relações de Maluf com a atual Executiva estadual estão estremecidas desde dezembro do ano passado, quando o deputado e ex-prefeito de São Paulo deixou a presidência do PP no Estado, sendo substituído por Mussi. A Executiva nacional da sigla teve de intervir no mandato de Maluf, que iria até junho deste ano.

“O doutor Paulo contribuiu muito, mas é hora de dar uma oxigenada, trazer bons quadros que foram afastados do partido por divergências com o grupo que liderava a legenda. [O PP] é um partido que não pode gravitar em torno de um nome”, disse Mussi ao jornal Folha de S. Paulo na época.

Decisão de Datena

À Folha, Datena informou as razões que o fizeram aceitar a oferta do PP. “Eles fizeram uma proposta honesta, direta e reta. Eu não me senti usado. Simples assim “, afirmou o apresentador, que comanda o programa policial Brasil Urgente na Rede Bandeirantes. Ele foi sondado por PSB e PSDB, mas optou pelo PP – partido que vem sendo notícia nacional pelo alto número de políticos citados nas investigações da Operação Lava Jato.

Questionado pelo jornal O Estado de S. Paulo se não haveria constrangimento em ser correligionário de Maluf, alvo de ações por improbidade, e de políticos citados na Lava Jato, Datena disse que "todo partido tem um Maluf". Ele disse que se sentiu mais à vontade com o apoio de Maluf a Haddad. "Ele tem mais a ver mesmo com Haddad", comentou.

Datena disse que ainda não definiu data para se filiar ao partido. A lei eleitoral determina que a filiação de quem deseja se candidatar deve ser feita até um ano da eleição - 3 de outubro deste ano, no caso. Até lá o apresentador segue apresentando o seu programa na TV. "Serei ético e não falarei de política", afirmou. E em seguida emendou: "reduzir o limite de velocidade na marginal é uma idiotice", ressalvando que fala como cidadão sobre a medida adotada pela gestão Haddad.

O nome de Datena é mais um no ‘xadrez’ que cerca as eleições municipais da capital paulista. Além dele e de Haddad, outros nomes ventilados para o pleito são os do deputado federal Celso Russomanno (PRB-SP), o do vereador Andrea Matarazzo (PSDB), o da senadora Marta Suplicy (sem partido-SP), e do empresário João Dória.

LEIA TAMBÉM

- Após Datena ofender ateus, Band tem de exibir vídeo sobre liberdade religiosa

- Podia ser piada, mas estas 10 opiniões absurdas foram compartilhadas por políticos

- Sem provas, pedido de impeachment de Haddad é arquivado

- 'Ausente' na Lava Jato, Maluf diz que partido líder nos inquéritos, o PP, 'está ótimo'