MULHERES

Mulheres Incompartilháveis: Prefeitura de Curitiba lança campanha por WhatsApp para alertar sobre revenge porn

12/07/2015 19:56 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:40 -02
Montagem/iStock/Divulgação

Você já deve ter recebido fotos íntimas por WhatsApp. Se é de alguém que você está paquerando ou com quem você se relaciona, não tem problema. Mas o que você faz se a imagem é de uma pessoa que posou para outra — e apenas para esta — e não autorizou o compartilhamento?

A Prefeitura de Curitiba entrou no debate sobre a pornografia da vingança (revenge porn, em inglês) — a prática de divulgação de cenas íntimas, vídeos ou nudes de uma pessoa, sem o consentimento dela.

O pessoal da Prefs lançou uma campanha genial por WhatsApp para alertar sobre a violação da intimidade, principalmente de meninas e mulheres.

A ação nacional, intitulada "Mulheres Incompartilháveis", consiste no envio de fotos e vídeos pelo aplicativo de troca de mensagens.

"O foco é WhatsApp: a imagem em JPG e o vídeo estão borrados de propósito, lembrando o arquivo que está sendo carregado", explica o diretor de marketing e publicidade da prefeitura, Marcos Giovanella, em entrevista ao Brasil Post.

Quando o usuário amplia a imagem, ele lê a mensagem contra o revenge porn e é sensibilizado:

incompartilhaveis

Em dois anos, o número de vítimas da pornografia da vingança quadruplicou no Brasil. Só em 2014, foram 224 usuários de internet que denunciaram o crime para a SaferNet.

Tanto a primeira pessoa que vaza um vídeo íntimo não autorizado quanto aqueles que seguem compartilhando estão sujeitos a processo. Em geral, eles respondem por injúria e difamação por causar dano à imagem e à honra da mulher exposta.

Sancionado em 2014, o Marco Civil da Internet facilita a punição dos responsáveis.

A campanha "Mulheres Incompartilháveis" visa à conscientização de todos que costumam trocar fotos íntimas por internet e celular, diz Marcos Giovanella:

"Esperamos que haja uma real mudança de comportamento. Que os homens coloquem a mão na consciência e pensem: 'ela fez uma foto sensual para mim, só para mim, em um momento X'. Se a relação acabou, essa imagem não pode ser compartilhada. Ele não pode usar como chantagem para destruir a vida da ex-parceira."

Em 2013, duas adolescentes se suicidaram no Brasil após serem vítimas de pornografia da vingança.

Denúncias podem ser feitas à Central de Atendimento à Mulher pelo número 180. A ligação é gratuita e pode ser feita de fixo, celular e telefone público.