NOTÍCIAS
06/07/2015 15:57 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:38 -02

Parlamentar queniano alerta Obama a não defender agenda gay no Quênia

Reuters

Dezenas de quenianos participaram de uma manifestação contra a homossexualidade em Nairóbi nesta segunda-feira (6), e um parlamentar disse que o presidente norte-americano, Barack Obama, não deveria tentar impor uma pauta pró-gays quando visitar o país entre os dias 24 e 28 de julho.

De acordo com a Associated Press, a manifestação reuniu cerca de 35 pessoas, convocadas pela Aliança Evangélica do Quênia.

O mandatário dos EUA fará sua primeira visita como presidente ao Quênia, terra natal de seu pai, para participar de um encontro de empresários, organizações internacionais e governantes. Obama saudou a decisão de junho da Suprema Corte dos Estados Unidos que legalizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo no país, mas poucos compartilham de sua opinião no Quênia ou em outras nações africanas, onde em geral prevalecem visões sociais e religiosas mais conservadoras.

“Estamos dizendo ao senhor Obama quando ele vier ao Quênia este mês e tentar trazer a pauta do aborto, a pauta gay, diremos a ele que se cale e vá para casa”, disse o parlamentar Irungu Kangata aos manifestantes do lado de fora do Parlamento. Muitos deles usavam camisetas com as frases “Protejam o núcleo familiar” e “Defendam a família”.

A manifestação ocorre um dia depois do vice-presidente do país , William Ruto, afirmar que os gays deveriam deixar o país. A homossexualidade é considerada crime no Quênia, e pode ser punida com até 14 anos de prisão.

Líder da aliança, o bispo Mark Kariuki disse que a homossexualidade vai contra os valores morais e manda mensagens "erradas" para os jovens. "Portanto, quando Obama vier, pedimos que ele respeite a moral e a fé dos quenianos", disse.

Membros da comunidade LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) têm que esconder sua orientação sexual por medo de perseguições e de processos criminais na maioria dos 54 Estados africanos. A África do Sul é a única nação do continente que permite o casamento de gays e lésbicas.

(Com informações das agências de notícias)