NOTÍCIAS
02/07/2015 18:19 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:35 -02

Joanna Maranhão diz que não vai representar no Pan 'quem aplaude Cunha e Feliciano'

joana cunha feliciano

Umas das mais politizadas atletas brasileiras da atualidade, Joanna Maranhão publicou vídeo em sua conta no Facebook, na manhã desta quinta-feira, para criticar a aprovação, na Câmara Federal, da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que altera a maioridade penal para uma série de crimes de 18 para 16 anos. A nadadora, que comanda duas ONG's voltadas a crianças e adolescentes, disse que não vai representar, nos Jogos Pan-Americanos, "quem aplaude" os deputados federais Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Pastor Marcos Feliciano (PSC-SP) e Jair Bolsonaro (PP-RJ).

Pensei bastante antes de fazer esse vídeo mas considero o desabafo necessário pra minha saúde mental. Estou a caminho do meu quarto campeonato pan americano mas não representarei esse Brasil que segrega e que não se compadece.

Posted by Joanna Maranhão on Quinta, 2 de julho de 2015

"Vou para o Pan-Americano defender o meu país, mas não vou estar representando essas pessoas que batem palma para Feliciano, Bolsonaro, Eduardo Cunha, Malafaia... Não são vocês que eu estou representando. A torcida de vocês não faço questão nenhuma de ter. Do Eduardo Cunha, Daniel Coelho (PSDB-PE), do pessoal da bancada de Pernambuco que votou a favor (da redução da maioridade penal). É pelas outras pessoas", disse Joanna.

A nadadora, que foi finalista olímpica aos 17 anos, revelou em 2008 que sofreu violência sexual quando criança. Em 2013, decidiu se aposentar da natação, porque se dizia cansada de brigar contra a gestão da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA). Passou, então, a se dedicar à ONG Infância Livre, que acompanha crianças e adolescentes vítimas de violência infantil em Pernambuco.

"Criei uma ONG que acho que teria muita adesão se tivesse criado uma gangue pra espancar pedófilo. Porque aí as pessoas iam falar 'ah, que legal, tem que espancar mesmo'. Mas como eu montei uma ONG para se prevenir dos pedófilos e tratar dos próprios pedófilos, entender que tem outro caminho para erradicar esse problema, como a minha proposta demanda muito mais tempo, a adesão é pequena", lamentou ela no vídeo.

Joanna voltou à natação em meados do ano passado, para participar de uma competição universitária, e resolveu retornar também ao esporte de alto nível. Em entrevistas recentes, disse que estava mais "zen", trocou o carro pela bicicleta, tornou-se vegetariana e que não mais bateria de frente com a CBDA, deixando a responsabilidade com seu técnico.

A nadadora não é filiada a nenhum partido político e garante que não tem interesse em se candidatar um dia. "Eu seria expelida pelo sistema". Além da Infância Livre, Joanna ajuda o namorado, o judoca Luciano Corrêa, que oferece treinos para crianças carentes em Belo Horizonte e em Piranhas (AL).