NOTÍCIAS
19/06/2015 17:11 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:32 -02

Rafael Cortez tenta consertar vexame com atrizes de 'Orange Is the New Black', mas só piora a situação

Reprodução

Nesta semana, o Brasil Post te contou sobre uma entrevista que Rafael Cortez, humorista do programa CQC, da Band, fez com atrizes da série Orange Is the New Black. Exibida na última segunda-feira (16), a entrevista gerou intenso debate nas redes por estar repleta de perguntas e atitudes machistas. Nela, Cortez elogia a beleza das atrizes inúmeras vezes e pergunta se a convivência no set de filmagens é difícil quando elas estão em período de menstruação.

Nesta quinta-feira (18), o humorista se pronunciou no Facebook sobre o caso.

"Dizer que fui machista e misógino é um pouco demais", escreveu. "Elogiei atrizes que são bonitas. E quem disse que esse tipo de galanteio invalida seus talentos, profissionalismo e engajamentos?"

No entanto, parece que Cortez ainda não identificou o machismo em sua postura. Ele comete o "sincericídio" quando diz: "O ponto era falar de humores e temperamentos em dias onde as mulheres estão reconhecidamente mais sensíveis. Uma piada praticamente de domínio público".

Abaixo, você pode ler na íntegra o post de Cortez, repleto de demonstrações de como ele não tem dimensão do que fez:

Muita gente comentou sobre a minha entrevista com as atrizes de Orange is The New Black, no CQC - um programa que faz...

Posted by Rafael Cortez on Thursday, June 18, 2015


Basicamente, o deslize de Cortez e do CQC não está no inglês do humorista ou na má formulação de piadas, mas em estarem alheios às temáticas feministas e LGBT recorrentes na série e no engajamento político de seu público, e na redução das atrizes a estereótipos que as mulheres conhecem bem: o suposto desequilíbrio emocional e psicológico no período menstrual e beleza.

LEIA TAMBÉM:

- Nicole Kidman e Naomi Watts se beijam no palco da premiação 'Women In Film 2015'

- Maggie Gyllenhaal: 'Disseram que sou velha demais para ser par de um homem de 55 anos'

- Amy Schumer, Patricia Arquette, Tina Fey e Julia Louis-Dreyfus zombam de machismo da mídia