NOTÍCIAS
17/06/2015 12:18 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:32 -02

Teoria matemática divulgada em publicação americana pode desvendar desaparecimento do avião da Malaysia Airlines

Texas A&M University at Qatar

O sumiço do Boeing 777 da Malaysia Airlines é um mistério que ainda intriga muita gente. Goon Chen, professor de matemática da Universidade do Texas A&M, pode ter desvendado o mistério.

Cálculos de Chen podem explicar o porquê de as equipes de resgate não terem encontrado absolutamente nenhum vestígio da aeronave, que voava de Kuala Lumpur, na Malásia, com destino a Pequim, na China, com 239 pessoas a bordo.

De acordo com o pesquisador, o avião caiu em um ângulo de 90 graus em relação ao Oceano Índico, e não se estraçalhou, chegando intacto ao fundo do mar. Suas conclusões foram publicadas no jornal da Sociedade Americana de Matemática.

Ele explica que, mesmo em queda livre, o fato de ter despencado em um ângulo de 90 graus, fez com que o impacto contra a aeronave fosse menor.

Dessa forma as asas do avião, embora tenham se separado do resto da fuselagem, permaneceram inteiras, e por isso afundaram. Caso o ângulo da queda fosse outro, o impacto seria maior e as asas se fragmentariam. Esses pedaços, por serem mais leves, boiariam na superfície do oceano, e seriam visíveis pelas equipes de busca.

É possível entender melhor os cálculos vendo o vídeo abaixo, que mostra um acidente envolvendo uma aeronave da Ethiopian Airlines, em 1996.

Se a queda foi realmente como a proposta no estudo, o avião estaria de barriga para cima no fundo do mar, de forma que os pertences dos passageiros e as poltronas da aeronave também ficassem presos no fundo do mar.

"A verdade sobre os momentos finais do MH370 devem permanecer sendo um mistério até que, algum dia, a caixa preta seja finalmente encontrada e examinada", afirmou o pesquisador. "No entanto, evidências forenses indicam fortemente que o MH370 caiu de nariz no oceano", conclui.

Em Abril, ministros dos governos da Austrália, da China e da Malásia, afirmaram que iriam dobrar a área de busca pelos destroços.

O MH370 desapareceu dos radares pouco depois da decolagem. Os investigadores acreditam que ele seguiu por milhares de quilômetros fora de seu curso antes de cair.

Quatro navios equipados com drones submarinos sofisticados têm rastreado mais de 60% da extensão de fundo do mar designada como de maior prioridade, anteriormente não mapeada.