NOTÍCIAS
04/06/2015 18:10 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:19 -02

Justiça sul-africana investiga acusação de propina para sediar Copa de 2010

Mike Egerton/PA Archive
Detail of a Germany player lifting the FIFA World Cup Trophy

A unidade policial de elite sul-afriacana Hawks abriu nesta quinta-feira (4) uma investigação preliminar sobre o envolvimento de autoridades locais no pagamento de uma propina de US$ 10 milhões a um executivo da Fifa para o país sediar a Copa do Mundo de 2010.

O caso foi denunciado por autoridades dos Estados Unidos. Segundo o ex-membro do Comité Executivo da Fifa, Chuck Blazer, houve um suborno na eleição das sedes dos Mundiais de 1998 e 2010.

De acordo com a agência Reuters, autoridades esportivas sul-africanas disseram ter autorizado o pagamento de US$ 10 milhões a Jack Warner, ex-chefe do futebol da América do Norte, Central e Caribe, mas alegam que o dinheiro era uma doação para projetos de desenvolvimento -- e não suborno.

Warner é um dos 14 dirigentes e empresários acusados pelos EUA de corrupção num caso que chocou o mundo nos últimos dias. A investigação culminou a renúncia do presidente da Fifa, Joseph Blatter, quatro dias depois de garantir a reeleição.

Segundo o membro da oposição sul-africana, Anton Alberts, seu partido recebe informações de que uma investigação anterior sobre "pagamentos irregulares" na eleição da sede para 2010 foi interrompida por "interferência de alto nível".

Os documentos foram enviados ao Diretório para Investigação de Crimes Prioritários da África do Sul e serão analisados.

(Com informações da Reuters e da Agência Estado)