NOTÍCIAS
28/05/2015 18:14 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:13 -02

Como o formato do copo afeta o quanto você bebe, segundo a ciência

Será que algo tão simples como mudar o formato do copo pode evitar que as pessoas bebam demais?

Uma nova pesquisa realizada na Inglaterra sugere que as pessoas bebem mais devagar quando a bebida é servida em copos com lados retos do que quando se usam copos com lados curvos.

A pesquisa, conduzida por cientistas do Grupo de Pesquisas sobre Álcool e Tabaco da Universidade de Bristol e financiada pela Alcohol Research UK, também sugere que marcadores de volume nos copos incentivam as pessoas a beber mais devagar.

“Nossa pesquisa sugere que pequenas mudanças no formato do copo e marcadores de volume podem ajudar as pessoas a tomar decisões mais precisas sobre o quanto estão bebendo.

A esperança é que essa informação ajude as pessoas a beber mais devagar”, disse Angela Atwood, pesquisadora da universidade e uma das autoras do estudo, em um comunicado.

Copos com marcadores X copos sem marcadores.

Para o estudo, Atwood e o estudante de doutorado David Troy recrutaram 80 homens e 80 mulheres sem histórico de problemas com álcool e os dividiram em dois grupos.

Os integrantes de um grupo receberam copos de cerveja curvados com marcadores de um quarto, metade e três quartos. O outro grupo recebeu copos curvados, mas sem os marcadores.

Quando os pesquisadores observaram a velocidade com que os dois grupos tomaram as cervejas, descobriram – depois de levar em conta aqueles que bebem “muito devagar” – que as pessoas com copos com marcadores terminaram de beber em cerca de 10,3 minutos, contra 9,1 minutos para as pessoas com copos sem marcadores.

Efeitos no mundo real. Para testar a ideia no mundo real, os pesquisadores pediram que três pubs contassem quanta cerveja vendiam ao longo de duas semanas, usando dois tipos de corpos.

Quando os pubs usaram copos de laterais retas, as vendas foram mais baixas – o que indica menor consumo de álcool, segundo os pesquisadores.

Dado o pequeno número de pubs e a curta duração dos testes, os pesquisadores consideram a descoberta preliminar – mas ainda assim valiosas.

“Agora sabemos que é factível fazer esse tipo de pesquisa em situações do mundo real. Isso terá implicações para pesquisas futuras”, afirmou Troy no comunicado.

Hmmm. Mas, se os cientistas ficaram impressionados com suas descobertas, nem todos estão dispostos a erguer um brinde à pesquisa.

“Não há dúvidas de que o contexto é importante quando se trata do uso de álcool e drogas”, disse Anna Lembke, diretora do Programa de Medicina do Vício da Universidade Stanford, num e-mail.

“Um estudo mostrando que bebedores sociais com um copo com marcadores bebeu a mesma quantidade de álcool 1,2 minuto mais devagar que aqueles que usaram copos sem marcadores não é muito significativo.”

Ouch. O Huffington Post procurou Atwood, mas não teve resposta imediata.

Se o valor da pesquisa de Bristol é questionado, não há dúvidas que o consumo excessivo de álcool é um enorme problema de saúde. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o consumo de álcool é responsável por 3,3 milhões de mortes anuais em todo o mundo.

A nova pesquisa foi apresentada em Liverpool, Inglaterra, em 6 de maio, na conferência anual da Sociedade Psicológica Britânica.

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- Cientistas inventam cerveja que ameniza efeitos da ressaca

- Os jeitos mais esquisitos de curar ressaca (não serve para quem tem estômago fraco)

- Beber cerveja todo dia faz bem e combate até diabetes