NOTÍCIAS
27/05/2015 15:20 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:13 -02

Aprovação do casamento gay na Irlanda foi 'derrota para humanidade', diz assessor do papa; pontífice não falou sobre o assunto

PAUL FAITH via Getty Images
Supporters for same-sex marriage raise a cheer at Dublin Castle as they wait for the result of the referendum on May 23, 2015. Yes voters were basking in the sunshine today as they gathered to celebrate an expected victory in Ireland's referendum on whether to approve same-sex marriage. AFP PHOTO / Paul Faith (Photo credit should read PAUL FAITH/AFP/Getty Images)

O referendo na Irlanda para autorizar uniões civis entre pessoas do mesmo sexo foi uma "derrota para a humanidade", disse uma autoridade do Vaticano, na primeira reação de alto nível da Santa Sé sobre a votação da semana passada.

"Não foi uma derrota para os princípios cristãos, foi uma derrota para a humanidade", disse o secretário do Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, em comentários à Rádio Vaticano na terça-feira (26). "Fiquei muito triste com o resultado", ressaltou. O papa Francisco, até o momento, não se pronunciou sobre a aprovação do casamento gay na Irlanda, país com mais de 80% de católicos.

Parolin, principal assessor executivo do papa Francisco, acrescentou que o resultado do referendo mostrou que a Igreja Católica precisa melhorar suas formas de passar a mensagem cristã. "A Igreja precisa levar em consideração esta realidade, mas no sentido de reforçar seu compromisso na evangelização", disse. O comentário do cardeal nascido na Itália, funcionário de alto escalão veterano do Vaticano, ressalta o choque provocado pelo referendo que autorizou homossexuais a se casarem na Irlanda, país tradicionalmente católico.

O papa Francisco tem adotado um tom mais simpático em relação aos homossexuais do que muitos católicos conservadores. O pontífice afirmou após assumir a Igreja "Se uma pessoa é gay e busca a Deus e tem boa vontade, quem sou eu para julgar?". Mas o pontífice argentino não mostrou sinais de diminuir a desaprovação sobre casamento homossexual ou mudar a doutrina da Igreja, segundo a qual os atos homossexuais são pecado.

A Irlanda aprovou por grande maioria a legalização do chamado casamento gay em um referendo realizado sexta-feira (22) passada, e assim se tornou o primeiro país a aprovar a união civil entre homossexuais pelo voto popular. O Vaticano realiza em outubro o Sínodo sobre a Família e espera-se que questões controversas possam ser abordadas dentro da Igreja Católica. Os mais otimistas esperam que o papa Francisco apresente uma postura mais aberta sobre os relacionamentos homossexuais.