NOTÍCIAS
20/05/2015 09:59 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Renald Luzier, único desenhista que sobreviveu ao atentado contra 'Charlie Hebdo', deixa a publicação

Getty Images

O cartunista francês Renald Luzier, autor da charge que estampou a primeira capa do semanário satírico Charlie Hebdoapós o atentado terrorista de janeiro, anunciou que deixará a publicação. O desenhista, que assina seus trabalhos como Luz, declarou ao jornal francês Libération que produzir o semanário se tornou "insuportável". "Não havia rigorosamente ninguém para desenhar", disse Luz. "Eu estava fazendo três de quatro capas", acrescentou.

O artista não conseguia mais suportar a ausência dos colegas mortos no ataque. Doze pessoas foram assassinadas na redação do Charlie Hebdo, sendo que Luz foi o único cartunista a sobreviver. "Finalizar cada edição era uma tortura porque os outros não estavam mais aqui. Passar noites sem dormir desenterrando os mortos, pensando o que [os cartunistas] Charb, Cabu, Honore e Tignous fariam no meu lugar se tornou exaustivo", disse. O desenhista, de 43 anos, esclareceu que a decisão de pedir demissão "foi muito pessoal" e que pretende "se reconstruir, retomar o controle da minha vida".

O número do Charlie Hebdo publicado após o atentado trouxe na capa uma charge do profeta Maomé segurando um cartaz com a frase "Je suis Charlie" (Eu sou Charlie), que se tornou símbolo da mobilização contra o terror e a favor da liberdade de expressão. Outra frase na capa anunciava: "Tudo está perdoado". Em abril, Luz declarou que não faria mais nenhuma charge de Maomé por estar "cansado".