NOTÍCIAS
04/05/2015 22:23 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Animais podem prever terremotos, diz estudo

ASSOCIATED PRESS
Bamboo, a 47-year-old Asian elephant, walks in her enclosure at the Woodland Park Zoo Wednesday, Nov. 19, 2014, in Seattle. The zoo announced Wednesday that it is ending its on-site elephant program and will find a new home for its two endangered Asian elephants. Zoo president and CEO Deborah Jensen said that they haven't identified a new facility for Bamboo and 35-year-old Chai but expect to relocate the two female elephants together in 2015. (AP Photo/Elaine Thompson)

Mudança no comportamento dos animais pode significar que há terremotos de grande escala por perto. A inquietação dos bichos é causada pelo aumento de íons positivos no ar e pode ajudar na prevenção de eventos sísmicos. O estudo, publicado na revista europeia Physics and Chemistry of the Earth, foi realizado durante as semanas que antecederam o terremoto Contamana que ocorreu nos Andes peruanos em 2011.

Para o experimento, que contou com a participação do brasileiro Jean Pierre Raulin, professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, foram observados pequenos mamíferos e aves do Parque Nacional Yanachaga, no Peru.

Câmeras acionadas automaticamente pelo movimento dos animais foram instaladas na área verde e registraram suas passagem por meio de um flash de luz infravermelha. Invisível a olho nu, esse tipo de luz foi usada para não gerar mudanças no comportamento dos bichos.

Os pesquisadores notaram que, em dias comuns, os animais passavam de cinco a quinze vezes pela câmera. No intervalo de 23 dias antes do terremoto, eles começaram a ser menos visíveis: no máximo cinco vezes ao dia. E, em cinco dos sete dias anteriores ao evento, nenhum animal foi avistado.

Durante o mesmo período, foram estudadas também as perturbações na ionosfera, camada de íons naturais localizada a 70 quilômetros de altitude. Os cientistas perceberam essas alterações por meio de ondas de frequência muito baixa (usadas em comunicações militares). Oito dias antes do terremoto, houve variações significativas na ionosfera, mesma data em que houve a mudança no comportamento dos animais.

Síndrome de serotonina - A explicação apresentada pelos pesquisadores foi que o acúmulo de íons positivos no ar provocou as perturbações em ambos. A maior quantidade de íons, gerada pelo encontro ou fricção das placas tectônicas na atmosfera, provoca no organismo o aumento no nível de serotonina, o neurotransmissor que regula o sono e os batimentos cardíacos.

Em excesso, essa substância origina a chamada "síndrome da serotonina" que leva humanos e animais a um estado de agitação, inquietação e confusão.

Esse comportamento diferente dos animais é o que pode prever os acontecimentos sísmicos.

De acordo com o estudo, para se livrar dos sintomas indesejáveis da síndrome da serotonina, os animais fugiram para áreas mais baixas, onde a ionização não é tão expressiva.

A ideia de que os animais podiam prever eventos sísmicos já existia, mas não tinha sido provada até então. E mesmo se os animais não tivessem sido introduzidos na pesquisa, as mudanças observadas no campo de ionização dias antes dos terremotos já seriam o suficiente para ajudar na prevenção desses eventos.