NOTÍCIAS
30/04/2015 16:02 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Tribunal do Paquistão condena à prisão perpétua homens que participaram de ataque contra Malala

CARL COURT via Getty Images
Malala Yousafzai, the Pakistani girl shot by the Taliban after campaigning for girls' education, speaks during the 'We Day' event in north west London on March 7, 2014. We Day UK is part of a global youth initiative aimed at inspiring young people into community service. AFP PHOTO / CARL COURT (Photo credit should read CARL COURT/AFP/Getty Images)

Um tribunal da cidade de Mingora, no Noroeste do Paquistão, condenou nesta quinta-feira (30) dez homens à prisão perpétua pela tentativa de assassinato, em 2012, da ativista e Prêmio Nobel da Paz Malala Yousafzai.

“Dez criminosos que estiveram envolvidos no ataque a Malala Yousafzai foram condenados à prisão perpétua”, disse um responsável do tribunal à Agência France Presse. A informação foi confirmada por um advogado presente no julgamento.

Em outubro de 2012, militantes talibãs entraram no ônibus escolar em que a ativista estava, então com 14 anos, e atingiram-na na cabeça por suas opiniões em defesa do direito à educação das meninas.

Malala ficou gravemente ferida e foi levada de avião para receber tratamento na Grã-Bretanha, onde mora atualmente. Duas outras estudantes ficaram feridas.

Uma autoridade de segurança disse que nenhum dos quatro ou cinco homens que realizaram o ataque em Malala está entre os dez homens condenados nesta quinta.

"Mas com certeza eles tiveram envolvimento no planejamento e execução da tentativa de assassinato de Malala", disse um policial de Swat, que se recusou a se identificar por não estar autorizado a falar com a mídia.

A polícia acredita que o homem que atirou em Malala escapou pela fronteira para o Afeganistão.

Malala não pode voltar a seu país devido a ameaças de morte do Taliban contra ela e sua família.