NOTÍCIAS
19/04/2015 09:39 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Chacina na quadra da Pavilhão Nove, torcida do Corinthians, deixa oito mortos em São Paulo

HELIO TORCHI/SIGMAPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Oito pessoas foram mortas na noite deste sábado (18), após terem sido baleada na quadra da Pavilhão Nove, torcida organizada do Corinthians, localizada na zona oeste de São Paulo. É a quarta chacina registrada em apenas algumas semanas na capital paulista.

De acordo com informações do jornal Folha de S. Paulo, ocorria uma festa na sede da torcida quando dois homens armados invadiram o local, que fica embaixo da Ponte dos Remédios, nas proximidades da Marginal Tietê, por volta das 23h.

Os assassinos mandaram sete vítimas deitarem no chão para, em seguida, executá-las. Uma oitava vítima foi baleada dentro da quadra, mas conseguiu fugir e pedir socorro em um posto de combustível próximo. Socorrida, ela não resistiu e morreu no hospital.

Policiais civis que investigam o caso encontraram cápsulas de pistola 9 milímetros no local da chacina. Ao G1, policiais militares afirmaram que a suspeita envolve um acerto de contas por tráfico de drogas. O caso segue a cargo do Departamento Estadual de Homicídios e Protação à Pessoa (DHPP).

Os assassinatos acontecem na véspera do clássico entre Corinthians e Palmeiras, marcado para a tarde deste domingo (19), na Arena Corinthians, em Itaquera, na zona leste da capital. Por ora, os policiais não acreditam que a chacina tenha relação com a rixa entre torcidas.

A Pavilhão Nove foi fundada em 9 de setembro de 1990, como forma de homenagear ao time de futebol da Casa de Detenção (Carandiru), notório presídio que ficava localizado na zona norte da cidade.

Nas últimas semanas, foram registradas chacinas semelhantes no Campo Limpo (zona sul), Jaçanã (zona norte) e Parelheiros (zona sul). Todos os casos seguem sendo investigados.

LEIA TAMBÉM

- ‘Fiquei taxado como protetor da polícia', diz promotor que pediu arquivamento de caso contra PM que matou camelô em SP

- Ministério Público de SP quer apurar DNA das armas no Brasil

- ASSISTA: Secretário de SP diz que adolescentes matam tanto quanto adultos

- A saga da impunidade da violência policial no Brasil

- Após matar quase 1.000 em 2014, PM de SP mantém alto grau de letalidade em 2015