COMPORTAMENTO
17/04/2015 17:16 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Este é o tipo de propaganda publicitária que não queremos mais ver

Por mais que se critique as propagandas de cerveja no Brasil, algumas empresas e agências de publicidade insistem no erro.

A Nova Schin, produzida pela Brasil Kirin, acaba de lançar uma nova campanha recheada com bordões de mau gosto e exemplos de assédio sexual, feita pela agência Leo Burnett Tailor Made.

Sob o pretexto de valorizar o verdadeiro "boteco de bairro" em oposição ao "bar almofadinha de propaganda", o vídeo publicitário acaba dando enfoque ao assédio sexual como característica dos bares onde se bebe cerveja.

Logo no começo da peça, a câmera enquadra um copo da bebida ao lado do decote de uma atriz. A partir daí, passa para os supostos "bares de verdade", como o "Bar da Xanna", "Curva de Rio", "Bar dos Inocentes" e "Sogra Cobra Coral". Alguns dos nomes realmente existem, mas os bares são bem diferentes dos retratados na campanha.

Além disso, cada um dos estabelecimentos é associado a uma piada machista ou algum tipo de assédio sexual, quando, por exemplo, uma mulher passa em frente ao Bar dos Inocentes e dois clientes falam em voz alta "foi ela que cresceu ou a roupa que encolheu"?

Será que a Brasil Kirin realmente acha que a maior parte dos homens está interessada apenas em se embebedar e assediar mulheres que passam na rua? Ou pior, será que eles querem estimular esse tipo de comportamento?

O boteco de bairro é realmente muito querido por milhares de brasileiros, é um lugar onde amigos e famílias se encontram para conversar, beber uma cerveja e, sim, até paquerar.

Porém, a imagem que a propaganda passa é de que as mulheres são apenas objetos e estão nesses lugares para serem assediadas e já recebeu críticas na web.

Errou rude, Nova Schin.

LEIA MAIS:

- Bento 16 completa 88 anos e brinda aniversário com cerveja

- Lollapalooza 2015: Cerveja vai custar R$ 10 e, espetinho, R$ 12,50

- Todo mundo usa alguma droga: álcool