NOTÍCIAS
15/04/2015 08:41 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Tesoureiro do PT, João Vaccari Neto é preso pela Polícia Federal, como parte da Operação Lava Jato

Montagem/Estadão Conteúdo/Wikimedia

O tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, foi preso pela Polícia Federal na manhã desta quarta-feira (15), na esteira da 12ª fase da Operação Lava Jato, que investiga esquema de corrupção na Petrobras e outros órgãos federais.

Vaccari virou réu do esquema de pagamento de propinas na Petrobras e foi denunciado pelo Ministério Público Federal por corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Ele é apontado como o operador do PT no "petrolão".

De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, o petista estava calmo durante a prisão.

A PF também interrogou a mulher de Vaccari, Giselda Rousie de Lima, já que possuía mandado de condução coercitiva dela. Os agentes ainda buscam a cunhada do tesoureiro, Marice Correa de Lima, contra quem há um mandado de prisão temporária.

Segundo o site G1, o Ministério Público Federal informou que Vaccari "tem papel semelhante ao de Youssef, ou seja um operador", em referência ao doleiro Alberto Youssef, acusado de ser um dos principais articuladores do propinoduto na Petrobras e distribuição para partidos políticos.

Na semana passada, o petista negou à CPI da Petrobras que tenha recebido doações ilegais de empresas que participaram do esquema na estatal.

Vaccari negou irregularidades na arrecadação de dinheiro para os comitês financeiros de campanha do PT, mas admitiu ter ido ao encontro de Youssef, uma das peças-chave do "petrolão".

Ele também admitiu conhecer vários empresários presos pela Lava Jato.

A prisão de Vaccari ocorreu em São Paulo, mas ele será levado imediatamente à Superintendência da PF do Paraná, em Curitiba.

LEIA MAIS:

- Homem solta ratos na sessão da CPI da Petrobras que ouve tesoureiro do PT, João Vaccari Neto (VÍDEO)

- Tesoureiro do PT, João Vaccari, nega que tenha recebido propina de Youssef e seus emissários

(Com informações da Estadão Conteúdo)