NOTÍCIAS
02/04/2015 10:51 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Internet faz você se achar mais inteligente do que é de verdade, diz estudo

Reprodução

O que seria de nós se não houvesse o Google?

Pesquisadores da Yale University descobriram que poder pesquisar qualquer coisa na internet nos faz crer que somos bem mais inteligentes do que, de fato, somos.

De acordo com a pesquisa, publicada no Journal of Experimental Psychology, buscar informações online aumenta nossa autoestima.

"É fácil confundir seu próprio conhecimento com esta fonte externa. Quando as pessoas dependem só de si próprias, eles podem errar feio sobre o quanto elas sabem e o quão são dependentes da internet", disse o pesquisador-chefe Matthew Fisher.

Como funcionou o estudo

Os pesquisadores realizaram nove experimentos com cerca de 300 adultos.

Um deles consistia em responder a perguntas simples, como por exemplo "Como funciona um zíper?". Parte dos participantes teve acesso ao Google para buscar pela resposta, e outra não.

Em seguida, eles foram colocados diante de uma pergunta complexa e não-relacionada com a anterior, como "Por que há mais furacões no Atlântico entre agosto e setembro?". Em vez de responder à pergunta, eles foram solicitados a medir seu nível de confiança em responder corretamente à pergunta.

Aqueles com acesso ao Google na primeira pergunta disseram ter muito mais confiança do que aqueles que não tiveram.

Nos outros testes, o resultado também foi o mesmo.

De acordo com os pesquisadores, esta dificuldade de discernimento entre o que sabemos de fato e o que podemos buscar no Google pode ser prejudicial em áreas que envolvem tomadas de decisão.

"É importante saber distinguir nosso próprio conhecimento em casos em que decisões podem ter grandes consequências", disse Fisher. "Conhecimento pessoal efetivo é difícil de adquirir, e a internet pode estar dificultando ainda mais esta tarefa."

LEIA MAIS

- O que o chá de cogumelo faz para o cérebro? Ciência explica

- Como o cérebro realiza 'viagens mentais no tempo'

- Consumo excessivo de sal pode ‘reprogramar' o cérebro