NOTÍCIAS
27/03/2015 09:58 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Germanwings: Atestado médico recomendava que copiloto não trabalhasse no dia do acidente, afirmam investigadores

Agências de Notícias

Três dias após o acidente envolvendo o Airbus A320 da Germanwings, que ia de Barcelona a Dusseldorf, as buscas se concentram em - além de recuperar a segunda caixa-preta e os corpos das vítimas no local da queda - descobrir o que poderia ter levado o copiloto da aeronave, Andreas Lubitz, a derrubar o avião de propósito.

O Airbus caiu na última terça-feira (24), nos Alpes Franceses, matando todas as 150 pessoas a bordo. Nesta quinta (26), investigadores afirmaram que Lubitz aproveitou uma saída do piloto para ir ao banheiro, se trancou na cabine de comando e jogou a aeronave contra uma montanha.

Autoridades alemãs fizeram nesta quinta uma varredura nas duas residências do jovem: uma em Dusseldorf, e outra em Montabaur, onde vive a família do copiloto. De acordo com a imprensa europeia, na casa onde Lubitz vivia em Dusseldorf, foi encontrado um atestado médico que recomendava que ele não trabalhasse no dia do acidente. O documento estaria rasgado.

No entanto, a análise dos documentos vai levar vários dias, e será feita por autoridades alemãs. A Alemanha, a França e a Espanha investigam o acidente em conjunto.

A imprensa alemã especula que ele sofria de um quadro grave de depressão, e que teria sido esta a causa para o seu afastamento das atividades de treinamento, há seis anos. A Lufthansa confirma que Lubitz interrompeu seu treinamento por um tempo, mas afirma que ele foi submetido a todos os testes necessários para atuar como copiloto e estava "100% apto" para voar.

O diário alemão Bild afirma que na ficha do profissional no departamento de tráfego aéreo alemão havia uma observação que assinalava a necessidade de acompanhamento médico regular.

Últimos Instantes

Embora os investigadores franceses não tenham divulgados detalhes explícitos sobre os instantes finais do voo, há uma especulação sobre o momento em que os passageiros se deram conta da tragédia que estava acontecendo.

Tudo o que foi dito nesta quinta, durante entrevista coletiva, foi que é possível "ouvir gritos de fora da cabine de comando nos instantes finais". Sabe-se também que o piloto, que foi trancado do lado de fora da cabine, tentou bater na porta desesperadamente.

De acordo com o Bild, ele chegou a usar um machado para tentar arrombar a porta da cabine, que é blindada e estava trancada por dentro no momento da queda. De acordo com o Independent, a Germanwings confirma que há um machado a bordo das aeronaves A320, por razões de segurança. A companhia não confirmou, no entanto, se o objeto foi de fato usado para tentar arrombar a cabine.

LEIA TAMBÉM:

- Análise da caixa-preta do avião da Germanwings pode levar 'semanas ou meses'

- Espanha investiga autores de ofensas às vítimas de acidente aéreo

- Germanwings: piloto ficou preso do lado de fora da cabine antes da queda