COMPORTAMENTO
24/03/2015 13:11 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:42 -02

Velejador brasileiro enfrenta até ciclone em regata de volta ao mundo

francisco vignale/mapfre/volvo ocean race

Enfrentar o mar aberto em um veleiro, viajar por meses a fio, com direito a ondas gigantes e até ciclones é o tipo de aventura que nem todo mundo está disposto a enfrentar. São justamente esses desafios que atraem competidores para a Volvo Ocean Race, maior competição de vela da atualidade, que dá a volta ao mundo em 9 etapas, percorrendo mais de 70 mil quilômetros, e deve fazer uma parada no Brasil entre os dias 3 e 12 de abril.

São sete veleiros com 11 tripulantes cada, 19 nacionalidades diferentes e apenas um brasileiro: André Fonseca, também conhecido como “Bochecha”. Nascido em Santa Catarina, ele começou no mundo da vela aos 6 anos de idade. Agora, aos 36 anos, possui um extenso currículo nos mares, incluindo participações em olimpíadas, e integra a equipe espanhola MAPFRE.

Fonseca é o chefe de turno no veleiro, posto no qual é preciso ter experiência, saber o que irá acontecer nos próximas horas, tentar antecipar uma mudança das condições climáticas e definir as novas velas a serem usadas em cada ocasião.


Como é possível ver no post acima, os velejadores enfrentam todo o tipo de intempéries climáticas ao longo da competição. No início de março, a largada da quinta etapa - que acontece agora, entre Nova Zelândia e brasil - foi adiada por conta de um ciclone níve 5 que se aproximou da ilha. Especialistas afirmaram que o fenômeno foi o mais forte dos últimos 40 anos no Pacífico Sul e causou ventos de mais de 200 km/h, além de chuvas torrenciais.

A equipe de “Bochecha” começou essa etapa em último lugar e apostou em uma estratégia ousada para ganhar algumas posições. Eles vão passar por um sistema de baixa pressão atmosférica, o que significa ventos de até 83km/h. Como medida de precaução, a equipe do MAPFRE decidiu reforçar a proa do barco depois de barulhos estranhos por lá. "Os primeiros dias foram difíceis e agora ouvimos um barulho que vem dessa área", comentou o comandante Iker Martínez.

Quem quiser acompanhar ao vivo o desempenho do brasileiro André Fonseca e das outras equipes na Volvo Ocean Race pode ver a localização dos barcos no site da prova. Atualmente a equipe de André segue em 4º lugar.

LEIA MAIS

- Uma aventura sem motores: gringos percorrem 9 mil km pelo Brasil a pé, de bicicleta e de canoa

- Aventura a 90 km/h: Jet Boat chega ao Brasil com a promessa de adrenalina neste verão (VÍDEO)

- ASSISTA: Ela viajou SO-ZI-NHA pelo Alasca durante 47 dias