NOTÍCIAS
19/03/2015 16:31 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Organização americana promove campanha criativa e chocante para conscientizar sobre os perigos das armas de fogo

Reprodução / Youtube

Já imaginou estar andando por Nova York e se deparar com uma loja de armas de fogo em um dos bairros mais chiques da Ilha de Manhattan?

Na vitrine do pequeno estabelecimento era possível ler: "Comprando uma arma pela primeira vez? Estamos aqui para ajudar".

O que parecia ser apenas uma loja, no entanto, fazia parte de uma campanha (genial) da organização sem fins lucrativos States United to Prevent Gun Violence (Estados Unidos para prevenir a violência armada, em tradução livre).

Após aberta, a loja - que, por ser falsa, foi montada no espaço de uma galeria de arte e funcionou por apenas dois dias - começou a receber visitantes, muitos deles interessados em comprar sua primeira arma para "se proteger". Segundo dados da organização, 60% dos americanos acreditam que a posse de uma arma pode deixá-los mais seguros.

Além de apresentar as opções de armas, o vendedor resolveu também contar a história de cada objeto que estava exposto no balcão. Veja abaixo o diálogo entre o vendedor e um cliente.

- Eu sou pró Segunda Emenda [que garante o direito ao porte de armas] e, você sabe, é um pouco difícil encontrar isso em Nova York.

- Os colecionadores amam essa arma. A mãe de Adam Lanza também possuía uma dessas em sua coleção, até que ele pegou esta arma e algumas outras, a matou e foi à escola Sandy Hook, onde matou mais seis professores e 20 crianças pequenas. Vinte crianças pequenas mortas.

Continue lendo o texto após o vídeo

O experimento social era também uma campanha para tentar conscientizar os americanos sobre o perigo de se ter armas dentro de casa. De acordo com a organização, a posse de armas cria uma sensação de falsa segurança e aumenta o risco de homicídio, suicídio e morte não-intencionais.

"Nossa meta é educar aqueles que buscam comprar uma arma de fogo e assegurar-nos de que eles estão cientes dos riscos em potencial", afirmou a diretora da States United To Prevent Gun Violence, Julia Wyman, à Ad Week.

E o vídeo termina com um claro recado: "Toda arma tem uma história. Não vamos repeti-la".