NOTÍCIAS
16/03/2015 21:59 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:13 -02

Após protestos, Dilma se reúne com Lula e convoca uma série de reuniões de emergência

Montagem/Estadão Conteúdo

Após os protestos do domingo (15), a presidente Dilma Rousseff convocou uma série de reuniões de emergência. Conselheiro da petista, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva viajou às pressas nesta segunda-feira (16) para Brasília, junto com o presidente do partido, Rui Falcão.

Antes de embarcar para Brasília, Lula se reuniu com diretores do Instituto Lula e com o presidente nacional do PT, Rui Falcão, para um balanço preliminar dos protestos. Depois de passar mais de dois meses sem conversar, entre o final do ano passado e o começo desse ano, é a terceira vez que Lula e Dilma se reúnem para discutir política em menos de um mês.

Na tarde de ontem, enquanto os manifestantes invadiam as ruas das capitais do País, a presidente ouvia ministros do conselho político. Na manhã desta segunda-feira, a presidente antecipou a reunião, prevista para a tarde, com aliados para avaliação dos protestos.

Entre os presentes estavam o vice-presidente, Michel Temer, os ministros da Casa Civil, Aloizio Mercadante, da Defesa, Jaques Wagner, da Justiça, José Eduardo Cardozo, da Secretaria de Relações Institucionais, Pepe Vargas, da Secretaria-Geral, Miguel Rossetto, das Cidades. Também estiveram presentes os novos ministros da articulação política ampliada, o comandante das Cidades, Gilberto Kassab, da Aviação Civil, Eliseu Padilha, de Minas e Energia, Eduardo Braga, e da Ciência e Tecnologia, Aldo Rebelo.

Após a reunião, os ministros Cardozo e Braga falaram com a imprensa. Prometeram abertura de diálogo e um pacote de medidas de combate à corrupção. "Que resposta o governo deve dar? É lançar as propostas que tem contra a corrupção, é estar aberto a receber outras. Queremos ouvir a sociedade sobre essas propostas", disse Cardozo.

(com informações do Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM

- Após protestos contra o governo, a presidente Dilma Rousseff diz que valeu a pena lutar pela democracia

- Pressionada pelos protestos, presidente Dilma Rousseff apela para humildade, mas se esquiva de admitir erros