NOTÍCIAS
12/03/2015 15:01 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Casos de dengue no Brasil aumentam 162% em 2015, aponta Ministério da Saúde

Marcos Teixeira de Freitas/Flicker
Rebel XT + Canon MP-E 65mm + Sigma Ring Flash EM-140 DG. Classificação Ramo: Arthropoda (pés articulados); Classe: Hexapoda (três pares de patas); Ordem: Diptera (um par de asas anterior funcional e um par posterior transformado em halteres); Família: Culicidae; Gênero: Aedes. O Aedes aegypti é o mosquito transmissor da dengue e da febre amarela urbana.

Até o dia 7 de março deste ano foram registrados 224,1 mil casos de dengue no Brasil, um aumento de 162% em relação ao mesmo período no ano passado. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (12) pelo Ministério da Saúde.

Ainda que o aumento de casos registrados seja alarmante, o número de mortes diminuiu em 32% em 2015, diz a pasta.

Outro destaque é que, das 1.844 cidades que participaram da pesquisa, 340 foram classificadas como em estado de "risco para ocorrência de epidemias". Dentre elas, apenas uma capital: Cuiabá (MT).

Quando avaliadas as regiões do Brasil, o Nordeste concentra maioria dos municípios de risco (171); seguido do Sudeste (54); Sul (52); Norte (46); e Centro-Oeste (17).

Por outro lado, 627 cidades apresentam índice satisfatório, e 877 estão em estado de alerta.

Como é calculado?

Conforme explica o G1, municípios que detectaram focos de dengue em 1 a cada grupo de 100 prédios são incluídos na categoria "satisfatório". Acima de 1 até 3,9 foram enquadrados na categoria "alerta". As cidades com índice acima de 4, entram no nível de "risco".

Além de ajudar identificar bairros em existem mais riscos de reprodução do mosquito, o mapa ajuda as prefeituras a centralizarem esforços da melhor forma, tanto na prevenção como no controle.

O Ministério ainda enfatizou ações preventivas importantes: