NOTÍCIAS
09/03/2015 14:05 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Aécio Neves e Marta Suplicy criticam pronunciamento de Dilma Rousseff no Dia da Mulher com argumentos semelhantes

Montagem/Estadão Conteúdo

O pronunciamento da presidente Dilma Rousseff em cadeia nacional nos veículo de TV e rádio, no dia (8), teve repercussão negativa também entre políticos nas redes sociais.

Duas das publicações que chamaram atenção e geraram buzz na página do Facebook foram as de Aécio Neves e Marta Suplicy

Ambos criticaram a fala da presidente, com discursos parecidos. Enquanto Aécio disse que Dilma "terceiriza responsabilidades que são exclusivamente do governo dela e fornece um enredo irreal à população", Marta apontou que ao "se apoiar na ultrapassada justificativa da crise internacional, Dilma negou, mais uma vez, a gravidade e dimensão da atual crise econômica, as responsabilidades de seu governo e as consequências de seus desdobramentos para o povo brasileiro".

Os dois também citaram o "panelaço" - protesto de parte dos brasileiros durante a fala da presidente. Marta citou explicitamente, logo no início da sua declaração: "Em meio a gritos de protestos, buzinas e panelaço, São Paulo assistiu, atônita e perplexa, o pronunciamento da Presidenta Dilma nesta noite".

Já Aécio não fez nenhuma referência direta e disse apenas que "os brasileiros percebem, mais uma vez, o abismo que separa a realidade pintada no pronunciamento oficial e aquela vivida nas ruas e cidades do nosso país".

Veja as publicações:

Marta Suplicy:


Aécio Neves:


O pronunciamento

No último domingo (8), Dilma Rousseff fez seu primeiro pronunciamento em rede nacional, nas rádio e em canais da TV brasileira.

A presidente defendeu as novas medidas econômicas que estão sendo tomadas para que o país volte a crescer. Ela ressaltou a importância de o povo ter paciência, já que as medidas são temporárias.

Dilma aproveitou o Dia Internacional da Mulher para também anunciar que hoje (9) vai sancionar a Lei do Feminicídio, que tipifica como homicídio qualificado aquele em que a mulher é assassinada por questões de gênero.

(Com informações Estadão Conteúdo)