MULHERES
05/03/2015 16:04 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Senado recua e cancela oficina de culinária em 'homenagem' ao Dia da Mulher

Após repercussão negativa, o Senado Federal recuou e cancelou a oficina de culinária, que ofereceria aos servidores em homenagem ao Dia da Mulher. Essa semana, o Brasil Post mostrou que a homenagem irritou algumas servidoras, que a consideraram machista.

pao da paz interior

Funcionárias da Casa fizeram uma mobilização para entregar uma carta à diretoria-geral, sugerindo a alteração na programação. A discussão sobre a agenda com as servidoras estava marcada para amanhã, mas a oficina, intitulada Pão da Paz Interior, foi cancelada na noite de quarta-feira.

De acordo com uma funcionária da Casa, o problema não era colocar as pessoas na cozinha, mas o direcionamento dado ao público feminino. "Achei que no fundo tiveram boa intenção, mas faltou bom senso para identificar práticas machistas e papéis sociais. Ficou claro que estão tão acostumados com o papel mulher-cozinha que não perceberam a sutileza", disse.

oficina senado

Na página de apresentação da oficina, o Senado dizia ainda que "durante o processo de produção, haverá uma analogia sobre a importância do trabalho em equipe e a necessidade de manter o equilíbrio emocional para o bom desenvolvimento das relações interpessoais". Para a funcionária, essa descrição foi o que mais irritou, por considerar que as mulheres precisam acalmar os ânimos.

Antes de cancelar a oficina, o Senado informou que desenvolve ao longo de todo ano atividades voltadas aos servidores sem distinção de gênero. Argumentou ainda que a oficina de preparação de pães e aberta a homens e mulheres e que os treinamentos gastronômicos são os mais procurados.

A Casa também acrescentou que homenageará as 30 servidoras com maior tempo de serviço e veiculará uma série de matérias destacando o papel feminino em postos importantes de comando da instituição.

LEIA TAMBÉM

- Em 'homenagem' a elas, Senado coloca mulheres na cozinha

- Por que a campanha da Always não é tão legal quanto parece