NOTÍCIAS
02/03/2015 13:04 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

"Melhor morrer de vodka do que de tédio", escreveu Humberto Moura Fonseca, o estudante que morreu após 25 doses em Bauru

Montagem/Reprodução Facebook

A vida pode ser surpreendente e mórbida às vezes. Um exemplo disso é uma citação no perfil do Facebook do estudante Humberto Moura Fonseca, de 23 anos, morto no último sábado (28) em Bauru (SP). O aluno do 4º ano de Engenharia Elétrica da Unesp (Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita) escreveu algo que estaria relacionado à sua morte.

“Melhor morrer de vodka do que de tédio”.

post humberto

Estudante escreveu citação em sua página (Reprodução/Facebook)

Fonseca bebeu entre 25 e 30 doses de vodca, segundo informações preliminares, em uma festa que reuniu mais de 2 mil pessoas. O evento, que seria no esquema ‘open bar’ – com bebida liberada para todos –, teria uma série de eventos, um deles intitulado ‘Maratoma’, e foi nele que o estudante, natural de Passos (MG), teria participado.

Há um vídeo que mostra a participação dele na competição. Apelidada de Lombadinha, a vítima é ovacionada aos gritos de “Au, au, au, o Lombadinha é animal.

Para quem não conhece, a Maratoma incentiva o abuso de bebidas alcoólicas, como mostra esse vídeo disponível no YouTube.

O corpo de Fonseca foi enterrado neste domingo (1º) em sua cidade natal, segundo o G1. Segundo a polícia de Bauru, o aluno da Unesp passou mal na festa e foi socorrido por outros estudantes. Não havia infraestrutura mínima para o atendimento do jovem – uma suposta equipe de atendimento contava somente com um motorista e uma auxiliar de enfermagem – e ele acabou chegando ao pronto-socorro sem vida.

festa interreps

Após morte, página da festa foi deletada (Reprodução/Facebook)

Dois jovens, também estudantes de Engenharia, de 22 e 25 anos, cujos nomes não foram revelados e que seriam os organizadores da festa, foram presos, mas no fim de semana mesmo conseguiram o relaxamento das prisões e vão responder ao processo em liberdade. Os policiais aguardam os resultados de exames feitos na vítima para saber o que Fonseca bebeu e em qual quantidade, além de averiguar se ele ingeriu outras substâncias.

Além dele, outras cinco pessoas precisaram ser socorridas, sendo que três continuavam internadas em estado grave na manhã desta segunda-feira (2). Gabriela Alves Correa, de 23 anos, está na UTI do Hospital Estadual, enquanto Juliana Tibúrcio Gomes, de 19 anos, foi levada inicialmente para a UTI do Hospital do Base e depois transferida para o Hospital da Unimed, onde também está Matheus Pierri Carvalho, que não teve a idade revelada.

O que se sabe até o momento é que a festa, intitulada Interreps e que reúne várias repúblicas no que deveria ser uma confraternização, não tinha alvará para ser realizada. Além disso, ela tinha entre os patrocinadores uma conhecida marca de cerveja. Para quem passava mal, a ‘única salvação’ era tomar chá de boldo, que foi servido no evento. Se considerados culpados, os organizadores da festa podem ser indiciados por homicídio com dolo eventual, ou seja, quando se assume o risco de matar.

“O rapaz que morreu bebeu pelo menos 25 copinhos plásticos de vodca e passou mal. O campeão da competição tomou 30 copinhos e está em estado grave”, explicou o delegado Mário Henrique de Oliveira Ramos. Para o advogado dos dois jovens detidos, Luiz Celso de Barros, a soltura foi a decisão correta.

“Os meus clientes foram responsáveis apenas pela parte operacional. Contrataram som, enfermeiro, ambulância e fizeram a compra de bebidas. Em linhas gerais, o delegado quis que eles previssem o imprevisível”, avaliou o advogado, referindo-se a morte do universitário. “No caso de homicídio simples, se condenados eles pegariam seis anos, no máximo, de prisão. Pela lei, quem é condenado há seis anos cumpre pena em regime semiaberto. Então não haveria motivo para mantê-los presos”, emendou.

Em nota, a Unesp lamentou a morte de Fonseca e enfatizou que o evento ocorreu fora das dependências da universidade, “onde a bebida alcoólica é proibida”. “A Faculdade de Engenharia vem prestando apoio à família neste momento difícil que ela atravessa”, completou a direção da instituição.

Palmeirense e praticante de muay thai

Humberto Moura Fonseca era um amante do rock, dos esportes e das festas. Nada incomum para um jovem de 23 anos.

Praticante de muay thai, ele gostava de compartilhar os seus avanços no mundo das lutas, o que é possível conferir em sua página no YouTube. No futebol, a sua paixão era o Palmeiras.

Nas redes sociais, a família e amigos lamentaram a morte de Fonseca, sobretudo pela forma com que se deu a perda do estudante.

irmao

Irmão da vítima postou uma foto com a mãe e o irmão falecido (Reprodução/Facebook)

amigo

Amigos de Humberto também prestaram homenagens (Reprodução/Facebook)

Outras organizações, como a Atlética Unesp Bauru, divulgaram notas de pesar.




Como se vê, o mundo das festas universitárias, que está correlacionado com os trotes, continua a fazer vítimas.

ESPECIAL NÃO AOS TROTES

- Relatório da CPI das Faculdades de SP pede fim das Atléticas, investigações criminais e ações do MEC e do Papa Francisco

- Verdadeiros 'círculos viciosos', trotes universitários expõem contradições e desafiam uma tradição secular

- Omissão política, desrespeito às leis, fraudes e descaso: Por que a tradição dos trotes se mantém firme no Brasil

- Melhor universidade da América do Sul, USP concentra casos assustadores de trotes

- Quem está falando a verdade sobre os trotes na Faculdade de Medicina da USP?

- Impunes, estupros e trotes violentos em universidades alimentam o surgimento de sociopatas ao estilo Ted Bundy