NOTÍCIAS
02/03/2015 11:31 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Depois de mais de 15 dias de greve pelo país, Dilma Rousseff sanciona hoje a 'Lei dos Caminhoneiros'

Montagem/Estadão Conteúdo

A presidente Dilma Rousseff vai sancionar nesta segunda-feira (2), sem vetos, a chamada "Lei dos Caminhoneiros", informou a Secretaria-Geral da Presidência da República.

Por meio de nota, a secretaria reforçou os termos da lei, que foi fechada em reunião realizada na última quarta-feira em Brasília, com uma parte das lideranças dos caminhoneiros que estão em greve no País nos últimos dias.

De acordo com a lei que Dilmasancionará, haverá isenção de pagamento de pedágio para eixo suspenso de caminhões vazios, o perdão das multas por excesso de peso expedidas nos últimos dois anos e a ampliação de pontos de parada para descanso e repouso.

Além disso, também foi dada a garantia de que o preço do diesel não irá subir pelos próximos seis meses, de acordo com a Folha de S.Paulo.

"Também nesta segunda-feira, o governo tomará as medidas necessárias junto ao Congresso Nacional para permitir a prorrogação por 12 meses das parcelas de financiamentos de caminhões adquiridos pelos programas ProCaminhoneiro e Finame, do BNDES", concluiu a nota da secretaria-geral.

A grande expectativa da presidente Dilma Rousseff para o início da semana é que a greve seja debelada. Além dos esforços de negociação que resultaram na lei, o governo, por meio do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, também engrossou o discurso contra os grevistas, instituindo a cobrança de uma multa de R$ 10 mil por hora parada a cada caminhoneiro.

O movimento, que já dura mais de duas semanas, causou a morte de um manifestante no Rio Grande do Sul. Ele foi atropelado por um caminhão em um bloqueio montado pelos grevistas.