MUNDO
28/02/2015 20:43 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Mujica: 'Se eu tivesse duas vidas, eu gastaria elas inteiras para ajudar na luta do povo'

REUTERS/Andres Stapff

Este sábado, 28, foi o último dia de José Mujica como presidente do Uruguai. No domingo, 1, quem volta ao poder no Uruguai é Tabaré Vázquez.

Mujica termina seu mandato com 65% de aprovação. Na sexta-feira, 27, milhares de pessoas foram às ruas para se despedir do presidente. Político de esquerda de 79 anos, ele foi ovacionado por 3 mil pessoas na principal praça de Montevidéu após receber uma bandeira do país em seu último evento oficial.

"Não vou embora, estou chegando, irei com o último suspiro e onde estiver, estarei por você, estarei contigo, porque é a forma superior de estar com a vida. Obrigado querido povo", disse Mujica, que será senador entre 2015 e 2020.

As pessoas, que carregavam bandeiras do Uruguai, outras com cores da Frente Ampla e máscaras com o rosto de Mujica, promoveram um aplauso quando o uruguaio encerrou seu discurso.

LEIA TAMBÉM:

- Entenda a 'dobradinha' na presidência uruguaia

- Aborto e Maconha: Como ficam os temas 'polêmicos' com o novo presidente?

Nos seus cinco anos de governo houve establidade econômica e foram priorizados planos sociais que reduziram a pobreza e a falta de moradia. Mujica também estimulou a controversa agenda progressista, que legalizou o aborto, o casamento homossexual e a maconha.

"Se tivesse duas vidas, eu gastaria elas inteiras para ajudar na sua luta (a do povo), porque é a forma mais grandiosa de querer a vida que pude encontrar ao longo dos meus quase 80 anos", disse na sua despedida o ex-guerrilheiro que esteve preso por mais de uma década.

Contudo, os uruguaios ainda se queixam de problemas na educação, de uma desgastada infraestrutura rodoviária e uma crescente insegurança.

Mujica, floricultor de profissão, se tornou uma estrela da política internacional com discursos que questionavam o consumismo e destacam as coisas simples da vida. Mas sua franqueza o forçou várias vezes a se desculpar publicamente.

Como presidente, Mujica continuou morando modestamente em uma chácara nos arredores de Montevidéu, onde com sua mulher, a senadora Lucía Topolansky, cultivam seus alimentos e se locomovem com um carro antigo. Um estilo de vida que reflete suas origens num lar modesto, onde passou uma infância e uma adolescência difíceis.

"Não viemos ao planeta para nos desenvolver apenas. Viemos ao planeta para ser felizes. Porque a vida é curta e se vai. E nenhum bem vale como a vida e isso é o fundamental", disse na Cúpula Rio+20 em 2012, num discurso bastante compartilhado nas redes sociais e que o projetou à fama.

Mujica passou parte do dia com a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, na cidade uruguaia de Colônia. Os dois países inauguraram o parque eólico de Artilleros, uma parceria da brasileira Eletrobras com a empresa estatal de energia uruguaia UTE. "Vai beneficiar o Brasil e o Uruguai. Trata-se da integração do sistema elétrico dos dois países", disse Dilma. "Vai dar mais segurança para as nossas populações e uma energia de melhor qualidade e mais barata."

(com REUTERS)