NOTÍCIAS
27/02/2015 14:50 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Petição online pede o fim da regalia das passagens para cônjuges de deputados

Montagem/Estadão Conteúdo/Reprodução/Avaaz

O avião da alegria dos parlamentares com direito a levar mulheres e maridos de parlamentares não agradou o eleitorado brasileiro. A autorização dada presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), estimulou a criação de uma petição do Avaaz para que a Casa reveja a decisão. Enquanto essa reportagem foi escrita, mais de 10 mil pessoas já haviam assinado o documento online. A intenção do autor, Diego C., é chegar a 100 mil assinaturas e entregar ao peemedebista.

Alguns partidos, como Psol, o PSDB e o PPS, já afirmaram que vão abrir mão do benefício. Na quinta-feira (26), o líder do PSDB, Carlos Sampaio (SP), afirmou que o partido vai entrar com uma ação no STF para derrubar a regalia.

A justificativa da petição destaca que a compra de passagens aéreas para parentes já tinha sido proibida e o presidente da Casa mudou as regras. "Isto é, no mínimo, um abuso", argumenta Diego. O internauta ressalta que os salários dos deputados "são altos o suficiente para que eles possam pagar por casa, viagens e manter uma vida de luxo que muitos brasileiros não têm".

Se agirmos rápido e fizermos barulho contra esta medida, podemos envergonhar os deputados e fazê-los reverter a decisão, garantindo que nosso dinheiro vá para hospitais ou escolas. Alguns deputados já se pronunciaram contra o aumento -- isso significa que podemos vencer!

Aumento

A autorização foi feita por Cunha, na quarta-feira (25), junto com o anúncio do reajuste para cima em todos os benefícios dos parlamentares. Como o novo valor só passa a valer em abril, o impacto no orçamento da Casa este ano será de R$ 112 milhões. A partir do ano que vem será de mais de R$ 150 milhões.

A demanda pelo direito a usurfruir da cota dos parlamentares foi feita pelas mulheres deles em um chá na campanha de Cunha para presidência da Casa. Na época, ele prometeu que a atenderia. Ontem, entretanto, ele disse que a Casa pode rever a decisão.

"Não vejo nada demais com a medida. Mas se a Mesa quiser rever, é um direito dela. Na próxima reunião ela que trate. Não tem problema nenhum da minha parte”, disse.

Quando fez o anúncio, Cunha disse ainda que o impacto nas contas seria zero porque o mesmo valor seria cortado de atividades meio, como prestação de serviço e contrato de informática.

Confira os reajustes por parlamentar:

Auxílio-alimentação

De R$ 784,76 para R$ 845,40

Cota para exercício da atividade parlamentar

De R$ 33 mil (média) para R$ 35,8 mil

Auxílio-moradia

De R$ 3,8 mil para R$ 4,2 mil

Verba de gabinete

De R$ 78 mil para R$ 92 mil

LEIA TAMBÉM

- VOCÊ vai pagar pela viagem de mulheres e maridos dos parlamentares

- Saiba quem é quem no House of Cards de Brasília