NOTÍCIAS
27/02/2015 18:29 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Casa do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, foi arrombada e invadida

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse nesta sexta-feira (27) que há "fatos concretos" que o obrigaram a reforçar a segurança. Ele contou que arrombaram e ivandiram sua residência em Brasília, em janeiro. Segundo ele, os criminosos teriam ficado pelo menos oito minutos dentro da casa. O procurador, entretanto, disse não saber se o risco está relacionado com algum caso específico, como a Operação Lava Jato.

"Não sou uma pessoa assombrada. Mas alguns fatos concretos têm me levado a adotar algumas regras de contenção. (...) Tinha lá uma pistola .40 com três carregadores, máquina fotográfica e tudo quanto é coisa de valor. E a única coisa que foi levada foi o controle do portão. Daí para cá, tenho recebido relatórios de inteligência. E nos relatórios últimos, parece que aumentou um pouquinho o nível de risco. Por isso as precauções."

Na próxima semana, o procurador-geral da República deve apresentar ao Supremo Tribunal Federal (STF) a lista de políticos que devem ser investigados por denúncia de envolvimento no esquema de desvio de recursos da Petrobras, apurados na operação.

Questionado se acredita que o risco que corre teria relação com o caso, Janot foi sucinto: "Não sei. Isso eu não posso dizer". O procurador esteve em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, para participar de ato em repúdio ao atentando sofrido pelo promotor Marcos Vinícius Ribeiro Cunha.

O promotor foi atingido por três tiros no último dia 21 em Monte Carmelo, no Alto Paranaíba, por causa de investigação que levou à cassação do mandato do ex-presidente da Câmara municipal Valdelei José de Oliveira.

Janot confirmou que viajou para o município mineiro em uma aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB), evitando voo de carreira. Essa foi uma das recomendações feitas pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, em reunião não agendada previamente com o procurador-geral na quarta-feira (25). Segundo Janot, "com certeza" a reunião foi para falar sobre sua segurança.

(Com Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM

- Deputados da CPI da Petrobras receberam R$ 1,9 milhão de empreiteiras citadas na Lava Jato

- Denúncia de Janot, caçada a doleiro e denúncias: Lava Jato terá desdobramentos importantes nos próximos dias

- Procurador-geral da República nega fornecer nomes de políticos citados em delações premiadas ao governo