NOTÍCIAS
20/02/2015 10:28 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Semana morta no Congresso: Deputados e senadores emendam o feriado e só voltam na próxima semana

Montagem/Ed Ferreira/André Dusek/Estadão Conteúdo

Enquanto a maioria dos brasileiros retornou ao trabalho na tarde de quarta-feira de cinzas, nossas excelências continuam de folga. Os deputados federais fizeram um acordo e decidiram que só voltam ao trabalho na próxima terça-feira (17). No Senado, ocorreram sessões apenas de discursos com baixo quórum. Na quarta-feira (18), compareceram nove dos 81 senadores. Na quinta (19), apenas seis.

Na Câmara, o feriadão de 11 dias foi endossado pelo próprio presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Ele aproveitou o Carnaval para viajar para a Europa com a família. Cunha tem pregado que sua gestão será de muito trabalho e dito que não será tolerante com as faltas.

Esses dias sem trabalho no Congresso, de acordo com um levantamento pela ONG Contas Abertas, custou R$ 279,1 milhões aos cofres públicos. Com base no Orçamento do Congresso deste ano, de R$ 9,3 bilhões, cada dia sem discussões e votações no Congresso saí ao preço de R$ 25,4 milhões.

Com esse montante, de acordo com a ONG, é possível construir 78 escolas com capacidade de 432 alunos por turno ou 140 Unidades de Pronto Atendimento de Porte II, instaladas em locais que possuem entre 100 mil e 200 mil habitantes e recebem até 300 pacientes por dia.

No STF, a semana também foi de folga. Neste ano, os ministros cancelaram a sessão de quinta-feira pós-Carnaval.

(Com Estadão Conteúdo)

Leia também:

- Recesso de parlamentares do Congresso Nacional no feriado de Carnaval custa quase R$ 300 milhões, diz ONG

- Na volta do feriado de Carnaval, Dilma tentará reverter agenda negativa e relações conflituosas no Legislativo