NOTÍCIAS
20/02/2015 11:11 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Atrasada em quase uma década, construção da Linha 4-Amarela do metrô de São Paulo deverá passar para outras mãos

Montagem/Estadão Conteúdo

O atraso de quase dez anos nas obras da Linha 4-Amarela do metrô de São Paulo gerou uma resposta — tardia — do governo estadual para finalizar a construção dela.

Nesta quinta-feira (19) o governador Geraldo Alckmin afirmou que vai rescindir o contrato com o consórcio de empresas que estão à frente das obras.

A linha começou a ser licitada em 2001 pelo consórcio Isolux-Corsán-Corviam e, inicialmente, deveria ser entregue em 2009. O prazo para a conclusão foi estendido diversas vezes e, segundo o secretário de Transportes de São Paulo, duas multas e 30 advertências chegaram a ser aplicadas às empresas.

Os contratos chegavam a quase R$ 560 milhões, e a multa pela rescisão pode chegar a até 30% do valor do contrato. Agora, com a troca de empresas assumindo as construções, o prazo final estendeu-se, mais uma vez, para 2018.

Entre mudanças de prazos, foi mais ou menos assim...

A primeira previsão para o término da linha era 2009. Em 2006, o prazo havia sido adiado para 2012, mas no ano seguinte houve um desabamento na Estação Pinheiros, o que demandou a extensão do prazo mais uma vez.

Segundo o jornal Metro, as primeiras estações a ficarem prontas foram Paulista e Faria Lima - ambas entregues apenas em maio de 2010. As quatro seguintes foram entregues em 2011 e a última a ficar pronta, Fradique Coutinho, apenas em 2014.

Tantos atrasos levaram à troca de comando. Os novos prazos estipulados para as estações restantes são:

  • Higienópolis-Mackenzie: 2016

  • Oscar Freire: 2016

  • São Paulo-Morumbi: 2017

  • Vila Sônia: 2018

(Com informações Estadão Conteúdo)