NOTÍCIAS
14/02/2015 17:53 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

15 coisas que você não sabia sobre ‘O Clube Dos Cinco' (mesmo que já tenha ficado de castigo num sábado de manhã)

Universal

Hoje, 15 de fevereiro, o filme "O Clube dos Cinco” completa 30 anos. A contribuição mais importante do filme, além da maneira com que ele captura a adolescência nos anos 80 (juntamente com outros dois filmes de John Hughes, “Gatinhas e Gatões” e “Curtindo a Vida Adoidado”) é que ele foi pioneiro em lançar o formato da turma “com gente de todas as tribos”. Obviamente, isso tornou a escolha do elenco especialmente importante. Batemos um papo com a diretora de elenco Jackie Burch, com a figurinista Marilyn Vance e o diretor de fotografia Tom Del Ruth sobre o que aconteceu nos bastidores quando eles trabalharam com os cincos adolescentes da sessão de castigo mais icônica de todos os tempos.

1. Ficava tão quente no andar de cima do set que elenco e equipe muitas vezes caíam no sono ou desmaiavam

the breakfast club

Como “O Clube dos Cinco” foi filmado em um set fechado, era preciso bastante iluminação. Segundo Del Ruth, isso significa que a parte superior da biblioteca (onde a maior parte do elenco e equipe ficavam esperando entre as cenas) ficava com temperaturas entre 35 e 43 graus. “Muitas vezes eles pegavam no sono por causa do calor. Começavam a roncar”, contou Del Ruth. "Tínhamos que mandar os assistentes de direção ir lá e acordá-los no meio das cenas. Tivemos que contratar dois assistentes de direção a mais só para cuidar do segundo andar e manter a equipe acordada, para que não roncassem e estragassem as gravações de áudio”.

2. Originalmente, o título seria “A Turma do Almoço”

breakfast club

Quando Vance entrou na equipe, o roteiro do filme chamava-se “O Clube dos Cinco”. Mas o título era outro, no começo. “Seria chamado ‘A Turma do Almoço’", ela disse. “Mas uma amiga de John que trabalhava em outra escola tinha uma sessão para alunos de castigo chamada ‘O Clube do Café da Manhã’ (que é a tradução literal do título original no inglês, "The Breakfast Club"), então ele decidiu usar o nome sugerido por ela.”

3. Molly Ringwald brigou pelo papel de Allison, apesar de fazer o papel de Claire

molly ringwald the breakfast club

Segundo Burch, Hughes sabia que ele queria Ringwald no papel de Claire desde o começo, mas ela não estava convicta de que era a pessoa certa para o papel. “Na metade do processo, Molly queria o papel de Ally”, Burch disse. “E eu falei para o John: ‘Não, isso seria um erro tremendo!’ Graças a Deus, ele não fez aquilo! Acho que teria estragado o filme. Eu achei aquilo ridículo.”

4. Molly Ringwald tinha grande influência sobre o diretor John Hughes quando a produção começou, e pode ter sido a causa da demissão de uma atriz

molly ringwald john hughes

Ringwald foi a musa de Hughes durante o período do meio da década dos anos 80, e ele respeitava a sua opinião dentro e fora do set de filmagem. “Havia uma outra garota no papel de professora de educação física e não sei se a Molly achava que não se encaixava bem ou coisa assim, mas eles a tiraram do filme”, disse Burch. "Aquela atriz ficou arrasada, claro, mas depois ela acabou dirigindo filmes. Nos bastidores, John escutava o que a Molly dizia.” (A assessoria de Ringwald não respondeu ao pedido de comentário do episódio feito pelo HuffPost.)

5. Judd Nelson agia como o personagem e instigava o resto do elenco. Ele foi tão grosseiro com Molly Ringwald no set que quase chegou a ser demitido

john hughes the breakfast club

Burch relata que Nelson estava simplesmente tentando se manter no personagem. “Eu recebi uma ligação do set, dizendo: ‘É melhor que o Judd se controle ou ele vai embora!”, ela disse. “O que aconteceu foi que Judd incorporou o personagem, usando a técnica teatral de Stanislavski, ou ‘O Método’. Mas eles eram adolescentes! Alguns deles eram menores de idade. Mas a Molly tinha a atenção do John, lembra? Eles estavam muito chateados e achavam que Judd estava exagerando”. Del Ruth disse que não sabia o que estava acontecendo com o elenco, mas disse que conhecia bem o estilo de atuação de Nelson. “Já trabalhei em alguns filmes com ele, e ele tem aquele jeito mesmo”, disse. “Ele é um ator completo no sentido de que se entrega ao personagem dentro e fora da tela."

6. Antes de acharem Judd Nelson, Nicolas Cage foi cogitado para o papel de Bender...

nicolas cage 1985

Havia uma preocupação no set: faltavam nomes de peso no elenco. “Estavam falando do Nicolas Cage, mas eu sentia que Judd seria perfeito – o ingrediente que faltava”, disse Burch. Hughes estava reticente em relação a Cage e Burch concordou, achando que lhe faltava aquela qualidade “cool” nata que ela encontrou depois em Nelson.

7. ...e John Cusack também

john cusack sixteen candles

Cusack ainda não era uma estrela na época, mas ele já havia trabalhado mais do que outros possíveis Benders, e Hughes já o conhecia de "Gatinhas e Gatões”. “Eu não queria o John Cusack. Não achava que ele seria certo para o papel”, disse Burch. “Hoje em dia ele faz papéis mais sombrios, mas na época ele ainda era um garoto bastante conservador do centro-oeste”.

8. Brian, personagem de Anthony Michael Hall, teria uma dificuldade de aprendizagem no roteiro original

anthony

Tudo se encaixou quando Burch e sua equipe assistiram a cenas de “Gatinhas e Gatões”. Antes da escolha do elenco, havia muita confusão sobre esse papel e como ele deveria ser abordado. “As pessoas estavam tentando fazer dele, tipo uma garoto ‘especial’. Era bizarro como as pessoas interpretavam aquele personagem”, ela afirmou.

9. John Hughes fez o papel do pai de Brian, que o buscava na escola no fim do filme

john hughes director

Quando Burch estava escolhendo os atores que interpretariam os pais, Hughes pediu para fazer o papel de um dos pais. “Eu acho que ele estava tentando dar uma de Alfred Hitchcock", disse Burch. "Ele fez e foi ótimo. Eu normalmente não curto muito esse tipo de coisa, mas aquilo foi ótimo”. (Ah, e por falar da escolha dos pais: a mãe de Anthony Michael Hall, Mercedes Hall, fez o papel da mãe de Brian.)

10. A figurinista teve que fazer o figurino de Allison (Ally Sheedy) à mão, porque ela queria usar uma coisa preta e era a colorida década de 80

sheedy

O figurino teve um papel bem importante em "O Clube dos Cinco”, porque a maioria dos personagens só usaria uma roupa durante o filme inteiro. Por conta disso, Vance ponderou bastante cada visual e estava com dificuldade em achar algo preto para Allison. “Eu não consegui achar nada que poderia caracterizar a personalidade dela como alguém que não se encaixava no grupo”, disse Vance. “Precisávamos de uma roupa preta e cinza, sem graça e triste”. Como não conseguia achar aquelas cores nas lojas, Vance fez a roupa para ela, inclusive a bolsa. “A única coisa que eu não fiz foi o suéter”, ela disse. “Eu não conseguia achar nada! Tudo era bem colorido. Não sei se você lembra dos anos 80, mas meu Deus... Era cor pra todo lado."

11. O visual de Molly Ringwald foi mudado para ficar mais sofisticado, depois que ela insistiu que não queria fazer o papel de “patricinha”

molly ringwald 1985

Ringwald não tinha a estética típica da garota que fazia sucesso nos anos 80 e uma das razões pelas quais ela interpretou tão bem aquela figura foram justamente suas escolhas inusitadas. “Molly não queria ser a garotinha rica e mimada”, disse Vance. “Ela não queria ser a ‘filhinha de papai’ mimada, como estava no roteiro originalmente. Ela deveria usar uma saia mais curta, talvez um visual com crochê e uma boina. Um visual mais ‘revoltadinho’, sabe? Mas ela achou que a personagem era mais sofisticada. Atualizamos o visual dela, mas ainda ficava claro que ela tinha dinheiro”. Pouco antes disso, Vance havia ido à verdadeira festa de "Sweet Sixteen" de Ringwald (nos EUA a festa de debutante chama-se "Sweet Sixteen", quando a garota completa 16 anos, nome dado ao filme “Gatinhas e Gatões” em inglês), onde viu traços da personagem Claire – uma garota rica e culta – na própria Ringwald.

12. John Hughes teve que mudar o personagem de Emilio Estevez, de jogador de futebol americano para lutador, devido ao seu porte menor

emilio estevez 1985

Burch realmente queria Estevez no filme, por causa de seu estilo tipicamente “americano”, mas ela não achava que ele seria convincente como jogador de futebol americano. “Ele é muito baixo. Minha preocupação é que ninguém acreditaria que ele era jogador de futebol”, ela disse. “Ele tem os ombros largos, mas não tem a altura de uma jogador de futebol americano. Uma vez que John concordou em trocar o esporte de Clark para a luta greco-romana, eu sabia que o papel estava fechado”. Vance também adaptou o figurino de Estevez para que ele parecesse maior. "Fizemos cortes na camiseta dele para que parecesse mais como um lutador”, ela disse. “Você precisa trabalhar com a presença dos corpos na cena e ajudar a transformá-los visualmente no personagem.” A mudança também conferiu um tipo de masculinidade diferente ao personagem de Estevez. “Ele não era um babaca”, acrescentou Burch. “Havia um lado humano no seu papel.”

13. Rick Moranis havia sido escolhido para o papel do zelador, antes de desistir

molly ringwald john hughes

Pouco após sua participação no sucesso de 1984 "Os Caça-Fantasmas”, Moranis fazia parte da estratégia do estúdio de acrescentar nomes de peso ao elenco. Ele estava escalado para fazer o papel do zelador, mas acabou saindo do filme depois de supostamente interpretar o personagem com um sotaque russo. “Ele se recusava a interpretar o personagem... bem, digamos que foi uma diferença criativa”, disse Del Ruth. "O diretor realmente não tinha outra escolha, a não ser substituí-lo. Ela estava sendo mais cômico do que o papel pedia. Era necessário que esse personagem fosse um pouco sério, já que ele era o ponto de equilíbrio. Todos os outros estavam nos extremos.”

14. A cena na qual os alunos falam das suas histórias de castigo foi parcialmente improvisada, como foram várias outras falas durante o filme

bfast club

Hughes estava muito aberto à contribuição do elenco, como na inclusão da citação de David Bowie depois que Ally Sheedy o sugeriu, incidente já bastante conhecido. Quando o elenco se desviava do roteiro e acrescentava falas, Hughes muitas vezes incorporava as mudanças que eles faziam ao seu diálogo. “John era bem receptivo às sugestões dos atores”, disse Del Ruth. "Ele queria que eles se sentissem à vontade e isso dava muito espaço a eles. Se houvesse uma ou duas falas ou até um parágrafo que se encaixasse bem com o personagem ou enriquecesse o enredo, John simplesmente mudava o roteiro na hora.”

15. No mesmo ano em que Ally Sheedy, Judd Nelson e Emilio Estevez interpretaram alunos do ensino médio em “O Clube dos Cinco”, também interpretaram universitários no filme "O Primeiro Ano Do Resto De Nossas Vidas". E foi aqui que nasceu o famoso ‘brat pack’

judd nelson

“O Clube dos Cinco” foi o que lançou Judd Nelson ao estrelato, e Burch já sabia que o queria assim que assistiu sua audição. Foi a escolha dela que ajudou a carreira de Nelson a deslanchar e o que levou Nelson, Ally Sheedy e Emilio Estevez a estrearem em “O Primeiro Ano Do Resto De Nossas Vidas” ainda naquele ano. "O que aconteceu foi que Joel Schumacher nunca me contratou, mas ele sempre me ligava e pedia a minha ajuda. Ele começou a pegar o meu elenco de 'O Clube Dos Cinco' e colocar no filme dele”, disse Burch. “Eu falei que ele devia colocar o Judd. Ele acabou pegando a Ally e o Emilio também, e foi aí que nasceu o grupo do ‘brat pack’. Antes disso, nunca se referiu a esse grupo de atores assim. Isso aconteceu depois da junção dos elencos de ‘O Clube Dos Cinco’ com ‘O Primeiro Ano Do Resto De Nossas Vidas’."

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.