NOTÍCIAS
13/02/2015 16:49 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Promotor pede acusação contra Cristina Kirchner por encobrir inquérito

JUAN MABROMATA via Getty Images
Argentine President Cristina Fernandez de Kirchner delivers a speech during a ceremony commemorating the 160th anniversary of the Buenos Aires Stock Exchange in Buenos Aires on August 20, 2014. AFP PHOTO / Juan Mabromata (Photo credit should read JUAN MABROMATA/AFP/Getty Images)

O promotor Gerardo Pollicita que herdou o caso contra a presidente da Argentina, Cristina Fernandez Kirchner, reafirmou as acusações, renovando formalmente a investigação sobre como a dirigente teria ajudado oficiais iranianos a encobrir uma suposta participação em um ataque ocorrido em um centro comunitário judeu em 1994.

A decisão do promotor de ir adiante com o caso é significativo porque abre espaço para uma análise detalhadas da investigação em que o promotor Alberto Nisman estava trabalhando antes de ser encontrado morto em 18 de janeiro.

Nisman acusara Kirchner, o ministro de relações exteriores Hector Timerman e outros em sua administração em participar do encobrimento, em troca de acordos favoráveis de petróleo e outros bens do Irã. A presidente negou veementemente as acusações e o Irã tem repetidamente negado envolvimento no atentado, que matou 85 pessoas.

Pollicita apresentará o que descobrir ao juiz Daniel Rafecas, o magistrado federal, designado para o caso que acabará por decidir se vai rejeitá-lo ou enviá-lo a julgamento.

Mesmo antes da decisão da Pollicita, em meio a rumores de que estava a ocorrer, a administração se movimentava para tentar rejeitá-lo e minimizá-lo.

Falando a repórteres mais cedo nesta sexta-feira, o porta-voz presidencial, Aníbal Fernandez, disse que o avanço do inquérito era uma "manobra clara para desestabilizar a democracia", mas que, em última instância, "não tem valor legal. Não importa".

Fonte: Associated Press.