COMPORTAMENTO
12/02/2015 20:44 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Ela recebeu dezenas de parabéns por 'aniversário' de estupro

Reprodução/Facebook

Provavelmente você já conhece a jovem da foto acima. Ela é a analista de redes sociais Viviane Teves, de 28 anos. Sua história veio à publico nesta semana após a publicação de um um texto em seu perfil do Facebook, sobre o estupro que sofreu há dez anos, em que seu intuito era encorajar outras mulheres que passaram pela mesma situação.


Porém, após a publicação, Viviane passou a madrugada desta quinta-feira (12) recebendo mensagens de "parabéns pelo aniversário de estupro" no Whatsapp. Em sua própria defesa, ela divulgou as mensagens também em seu Facebook - e a publicação chegou a mais de 6 mil compartilhamentos e circulou pelas redes sociais na tarde de hoje.

"Desde meia-noite eu tenho recebido mensagens no meu WhatsApp. Mais de 40. Descobriram meu número e jogaram em um grupo de zoeira para pessoas aleatórias me zoarem. Todas me parabenizando por esta data e desejando que aconteça novamente", contou.

Alguém merece ser estuprado, então?

Viviane era administradora da página “Humor Negro”, no Facebook, extinta em 2012 e, antes disso, de uma comunidade de mesmo nome no Orkut, criada em 2004. Os autores do cyberataque, segundo ela relata em seu texto, são antigos membros dessas redes, que desejam puni-la por ter deletado as páginas das quais eram fãs.

A declaração abaixo está em uma das imagens que Viviane divulgou:

“Hoje é um dia muito especial. Faz dez anos que nossa querida Vivi Teves foi estuprada e depois desse diz ela nunca mais foi a mesma. Até hoje ela está brincando de DJ e esperando um novo estupro. Então desejem parabéns a ela, afinal, não se faz dez anos todo dia."

Após a repercussão, Viviane usou o Twitter para desabafar:



Em entrevista ao BuzzFeed Brasil, Viviane contou que, na ocasião, foi abordada por um falso vidente na rua em um terminal de ônibus no centro de São Paulo.

“Ele disse que iria fazer a pessoa de que eu gostava se apaixonar por mim e me levou a uma padaria. Lá colocou droga na minha bebida e me levou para um motel. Eu não conseguia fazer nada, a não ser sentir tudo. Não me mexia, não conseguia falar, só chorar. Depois disso roubou meu dinheiro, minha máquina fotográfica, tirou fotos minhas nua e foi embora”

Na época, ela escolheu não denunciar o crime à polícia.

“Hoje em dia tantas pessoas passam por isso (o que é horrível) e conseguem lidar. Eu consegui, do meu jeito. Não tenho problemas em falar isso publicamente, eu acho que esse é o tipo de assunto que todos devem saber. Todos devem se conscientizar”, contou em entrevista ao jornal O Globo.

Viviane tem razão. Todos devem se conscientizar. E mais:

Nenhuma ação, não importa qual seja, justifica um estupro.

NADA justifica um estupro.

Viviane afirma que vai denunciar as agressões na Delegacia de Crimes Virtuais e está em contato com advogados.

ATUALIZAÇÃO:

Após a publicação desta matéria no Facebook, uma série de comentários questionando a veracidade da história de Viviane foram feitos. Procurada pela reportagem do Brasil Post, a publicitária de 28 anos disse:

"O grupo da Humor Negro foi deletado há mais de ano, mas por algum motivo ele voltou. Eu fechei todas as publicações e coloquei ele como secreto pois o Facebook não me dá a opção de deletar um grupo, apenas removendo membro por membro. São mais de 7mil pessoas, isso fica complicado pra uma pessoa que trabalha. Ao deixar o grupo secreto, as pessoas (as mesmas que me mandaram as mensagens me “felicitando”) resolveram armar mais uma pra mim falando que a história era mentira. Tenho minha terapeuta de anos pra provar que é verdade, além de amigos muito queridos pra isso. Eu não denunciei para não passar pelo exame de corpo de delito. E provavelmente se fosse estuprada novamente, não denunciaria novamente."

Ela também informou à reportagem que publicaria um novo texto em seu perfil do Facebook para esclarecer a situação e encerrar o assunto. Leia abaixo:

O post anterior, com as imagens das mensagens de 'parabéns' pelo aniversário do estupro foi excluído pelo Facebook.

SE VOCÊ TAMBÉM PRECISA DE AJUDA:

O que fazer se eu estiver sendo agredida? A resposta está aqui.


LEIA MAIS:

- Estupros puxam o aumento de denúncias de violência contra a mulher no Brasil

- ‘Bolsonazi': Página no Tumblr reúne o lado ‘obscuro' de Jair Bolsonaro

- Proporção de estupros na USP superou violência contra mulher em SP