NOTÍCIAS
29/01/2015 16:39 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Banco Central prevê alta de 27,6% na conta de luz e 8% no preço da gasolina para 2015

ITACI BATISTA/AE

Previsto como um ano difícil para a economia do País, 2015 começou a sinalizar aumento nos preços já em seu primeiro mês. A conta de luz deve aumentar em 27,6% em 2015. O preço da gasolina também terá alta de 8%.

As projeções foram divulgadas nesta quinta-feira (29) pelo Banco Central, referente à reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), realizada na semana passada.

Segundo o documento, o preço da energia elétrica aumentará por causa do repasse às tarifas do custo de operações de financiamento, contratadas em 2014, da Conta de Desenvolvimento Energético. Já a variação de 8% nos preços da gasolina será, em grande parte, um reflexo da volta da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) e do aumento do PIS/Cofins.

Outros itens que prometem pesar mais no bolso dos brasileiros são as tarifas de telefonia fixa (com projeção de alta de 0,6%) e o gás de bujão (alta de 3%).

Por conta destas variações, o conjunto de preços administrados deve ter aumento de 9,3%, ante a alta de 6% projetados na reunião do Copom em dezembro. Para 2016, a previsão de alta é de 5,1%.

Juros ainda mais caros

A preocupação com a inflação foi um dos temas principais da reunião. Na tentativa de conter a elevação do IPCA - que será pressionado pelo aumento da conta de luz e de outros itens -, o BC sinalizou que a taxa básica de juros, a Selic, continuará subindo.

Semana passada, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa em 0,50 ponto percentual, para 12,25% ao ano.

Com isso, os juros ao consumidor atingiram 109,02% ao ano, contra 108,08% na taxa passada. Isso significa que, o financiamento, cartão de crédito, cheque especial e empréstimo pessoal ficaram mais caros.

O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), medido pelo IBGE, encerrou 2014 em 6,41%, próximo ao teto da meta estabelecida pelo governo. O objetivo de chegar ao centro da meta, de 4,5%, ficará apenas para o final de 2016.

Curta a gente no Facebook |
Siga a gente no Twitter

LEIA TAMBÉM:

- Desemprego no Brasil recua a 4,3% em dezembro mas cenário é de fragilidade

- Desvios na Petrobras podem ter chegado a R$ 2,1 bilhões, diz Ministério Público Federal