NOTÍCIAS
26/01/2015 10:22 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:47 -02

Seguranças de Alberto Nisman, promotor morto na Argentina, se contradizem em depoimentos

Reuters

A promotora Viviana Fein investiga fortes contradições nos depoimentos dos seguranças do procurador-geral argentino Alberto Nisman, encontrado morto na semana passada. Segundo o jornal Clarín noticia nesta segunda, uma das diferenças mais graves está nos horários que eles afirmaram ter subido ao apartamento de Nisman, no 13º andar de um prédio em Porto Madero, área nobre de Buenos Aires.

O sargento Armando Niz disse que se apresentou ao local para trabalhar e tocou a campainha de Nisman às 14h30, enquanto o sargento Luis Miño disse que foi às 17h.

Além disso, Niz afirmou que deixou seu telefone celular no carro, estacionado no subsolo, pois devido às chuvas o aparelho estava sem sinal. Já Miño afirmou que o veículo em que eles chegaram estava estacionado nas vagas de hóspedes, do lado externo do edifício, e que o telefone celular funcionava normalmente.

Os dois sargentos formavam a dupla responsável pela segurança do procurador-geral na noite em que ele foi encontrado morto com um tiro na têmpora, em condições não esclarecidas.

Após chegarem ao prédio, Niz e Miño chamaram Nisman por um aparelho Nextel, mas o procurador-geral não respondia. Assim, Miño afirmou que ligou para a secretária de Nisman, que os orientou a subir ao apartamento e tocar a campainha da porta.

Como Nisman também não respondia, Miño entrou em contato novamente com a secretária, identificada apenas como Marina, que o ordenou a ir buscar a mãe do procurador-geral. Miño então se dirigiu à casa de Sara Garfunkel, mãe de Nisman, pois ela sabia o código de segurança para abrir a porta principal do apartamento. Ao chegarem ao edifício de Nisman, o código estava errado e foi preciso chamar um chaveiro para abrir a porta. O chaveiro foi chamado às 21h45.

O chaveiro não conseguiu abrir a porta principal, pois a fechadura de código era muito complexa. Ele então tentou a entrada secundária, que estava aberta, segundo seu depoimento.

O sargento Niz, Sara e uma amiga da mãe de Nisman foram os primeiros a entrarem no apartamento. Eles procuraram Nisman pelo local e constataram que a TV do quarto estava ligada e o banheiro estava trancado, com a luz acesa. Tentaram entrar no banheiro, mas algo os impedia de abrir a porta. Era o corpo sem vida de Nisman. O sargento Niz foi o primeiro a ver o procurador-geral caído sobre uma poça de sangue. Segundo seu depoimento, a mãe de Nisman viu o corpo apenas pela porta entreaberta e não quis entrar no banheiro. Depois disso, a polícia foi acionada.

No dia seguinte à sua morte, o procurador-geral Alberto Nisman, de 51 anos, iria se apresentar no Congresso para dar detalhes de sua denúncia contra a presidente Kirchner e seu chanceler Héctor Timerman e outros dirigentes, acusados por ele de acobertar o Irã por seu alegado envolvimento no atentado contra a Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), que deixou 85 mortos e 300 feridos em 1994.

O governo negou a denúncia do procurador, chamando-o de mentiroso e atribuindo a atuação de Nisman a uma operação dos serviços de inteligência.