NOTÍCIAS
20/01/2015 21:55 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:45 -02

'Deus é brasileiro' e deve mandar alguma chuva, diz ministro Eduardo Braga

Apesar de repetir várias vezes que o sistema elétrico brasileiro é "robusto", o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, admitiu na noite desta terça-feira (20) que o modelo energético nacional precisa de ajustes e disse ainda contar com a ajuda de Deus para a normalização da geração de eletricidade no País.

"Deus é brasileiro e temos que contar que ele vai trazer um pouco de umidade e chuva", disse Braga, repetindo o ex-ministro Edison Lobão, que, no ano passado, disse que o País não passaria por um racionamento de energia "com a graça de Deus".

Braga reiterou que há energia suficiente para atender momentos de extremos climáticos. "Estamos vivendo o segundo biênio de extremos climáticos de alto rigor no ritmo hidrológico", disse. "As chuvas em janeiro foram extremamente raras, principalmente onde precisava chover. Acompanhamos o ritmo climático diariamente para termos calibragem no planejamento. Não há previsão de racionamento", enfatizou.

O ministro também culpou os atrasos em obras de geração e transmissão - sobretudo nos processos de licenciamento ambiental - e destacou que o MME, a EPE (Empresa de Pesquisa Energética) e a Eletrobras estão debruçados sobre os cronogramas desses empreendimentos.

Braga citou especialmente as grandes usinas em construção na região Norte do País. "Se Belo Monte, Jirau e Santo Antônio já estivessem funcionando dentro do cronograma nada disso estaria acontecendo", alfinetou.

Braga comparou a atual situação de crise do sistema elétrico brasileiro com a vivida em 2001, quando houve o racionamento, para dizer que hoje as capacidades de transmissão e geração de eletricidade são bem maiores.

Ainda assim, ele reconheceu que o país precisa ainda avançar em fontes alternativas, na eficiência energética e na modernização das redes de baixa tensão.