NOTÍCIAS
12/01/2015 17:09 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Apesar de otimistas com as finanças, brasileiros pretendem apertar o cinto em 2015

Getty Images

As finanças dos brasileiros devem entrar na linha neste ano, em comparação com 2014. Um estudo realizado pelo aplicativo de controle financeiro Guia Bolso, com mais de 1.136 usuários, mostra que 73% das pessoas acreditam que 2015 será financeiramente melhor do que o ano anterior.

Mas, o motivo dessa perspectiva positiva não está relacionado ao bom andamento da economia do país. Pelo contrário: a maioria dos consultados está otimista porque espera gastar menos ao longo do ano. Mais de 40% dos usuários disseram que vão economizar, enquanto 34% pretendem investir mais dinheiro. Já 26% têm a esperança de receber um aumento salarial.

O cenário econômico para 2015 não deve ser mais fácil e, por isso, acho muito positivo que as pessoas estejam com planos de gastar menos”, conta o sócio do Guia Bolso, Thiago Alvarez. “Isso dá uma margem maior no orçamento para fazer o que realmente importa: poupar para o futuro e curtir o presente.”

Por outro lado, 13% das pessoas se mostraram pessimistas com as finanças neste ano, ante 2014. Entre as justificativas para esse ceticismo, estão o aumento de gastos (para 51% dos entrevistados), redução de salário (29%) e crescimento das dívidas (20%).

"Otimismo é sempre bem-vindo, mas precisamos ter cuidado para que ele não distorça a realidade. Estamos vendo menos pessoas otimistas com 2015 em relação ao que vimos para 2014, o que mostra que ano passado foi mais difícil do que muitos imaginaram”, explica Thiago.

Segundo o executivo, a mesma pesquisa realizada em dezembro de 2013 indicava que 90% dos usuários consultados esperavam que 2014 seria melhor do que o ano anterior do ponto de vista financeiro.

“Minha dica para que as pessoas consigam realizar essa promessa é criar metas para os gastos mensais e acompanhá-las periodicamente", finaliza Thiago.

Curta a gente no Facebook |
Siga a gente no Twitter

LEIA TAMBÉM:

- Inflação fecha 2014 muito próxima do limite aceitável

- Mais de mil trabalhadores são demitidos pela indústria automobilística e número pode dobrar no 1º trimestre de 2015