NOTÍCIAS
24/12/2014 13:33 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Crise da água em SP: Nível do Cantareira sobe pela primeira vez em oito meses

LUIS MOURA/ESTADÃO CONTEÚDO

As fortes chuvas que atingem São Paulo esta semana ajudaram o Sistema Cantareira a registrar sua primeira alta desde 16 de abril, segundo dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Todos os outros mananciais do Estado também registraram avanços — alguns bastante significativos — no volume armazenado de água entre ontem e hoje.

Devido à chuva que chegou a 52,4 milímetros entre ontem e hoje, o Cantareira, responsável por atender 6,5 milhões de pessoas, quebrou a marca de 252 dias de quedas no volume d'água e opera com 7% da sua capacidade nesta quarta-feira (24), mostrando alta de 0,3 ponto porcentual em relação ao nível de 6,7% registrado no dia anterior. O volume já leva em conta a segunda cota da reserva técnica, com 105 bilhões de litros. Segundo dados da Sabesp, a pluviometria acumulada neste mês é de 140 milímetros, ou 63,37% da média histórica de dezembro.

Desde que a segunda cota do volume morto entrou no cálculo da companhia, no dia 24 de outubro, o sistema já reduziu metade da capacidade, tendo perdido 6,6 pontos porcentuais.

OUTROS MANANCIAIS

O Sistema Rio Claro liderou o avanço no volume armazenado entre ontem e hoje nos mananciais de São Paulo, ganhando 6,2 pontos porcentuais. O sistema opera hoje com 32% da capacidade, ante 25,8% ontem.

Outros mananciais também tiveram altas expressivas no volume de água armazenado. O Sistema Guarapiranga, responsável por abastecer 4,9 milhões de pessoas, opera hoje com 38,3% da capacidade, 1,7 ponto porcentual a mais do que ontem. Já o Alto Tietê, que abastece 4,5 milhões de habitantes, passou de 10,5% da capacidade ontem para 11,1% hoje.

O sistema Rio Grande teve alta de 3,3 pontos porcentuais e opera com 69% de sua capacidade. O Alto Cotia — o menor dos mananciais que atende 410 mil pessoas — também registrou queda alta no volume de água, avançando de 30,2% para 31,5%.

(Com Estadão Conteúdo e Agência Brasil)

LEIA TAMBÉM

- Entrada de água no Cantareira é a 3ª menor da história

- Crise da água em SP: Especialistas sugerem menos obras e mais políticas de reflorestamento para gestão de recursos hídricos

- Crise da água em SP: Professor da Unicamp afirma que volume captado do Sistema Cantareira tinha de ter sido reduzido há anos

- Crise da água em SP: Sem solução a curto prazo, abastecimento já tem data para sofrer com colapso do Sistema Cantareira