NOTÍCIAS
18/12/2014 16:20 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

George R.R. Martin oferece seu cinema para a exibição do filme 'A Entrevista'

Getty Images
HOLLYWOOD, CA - MARCH 19: Writer George R. R. Martin attends an evening with 'Game Of Thrones' at TCL Chinese Theatre on March 19, 2013 in Hollywood, California. (Photo by Jason LaVeris/FilmMagic)

A Coreia do Norte acaba de fazer um inimigo poderoso. E não é o FBI, a CIA ou mesmo os Estados Unidos.

George R.R. Martin, autor da saga As Crônicas de Gelo e Fogo, ofereceu seu cinema para a exibição do filme A Entrevista. Em seu blog, o escritor, que é dono de um cinema chamado Jean Cocteau Cinema, publicou uma nota ontem (17), chamada "Corporate Cowardice" (Covardice corporativa, em tradução literal). "Venha para Santa Fé, Seth [Rogen, codiretor, roteirista e autor do filme]", escreveu. "Nós vamos exibir seu filme."

A nota de George R.R. Martin foi escrita depois que as cinco maiores cadeias de cinemas dos Estados Unidos declararam que não irão exibir o longa. Elas cederam às ameaças do grupo norte-coreano Guardiões da Paz (Guardians of Peace, ou GOP), que hackearam e vazaram arquivos da Sony Pictures Entertainment há algumas semanas; em seguida, eles ameaçaram espectadores e proprietários de salas de cinema com atos de terrorismo. Tudo porque o ponto central do enredo de A Entrevista é o plano para assassinar o ditador norte-coreano Kim Jong-Un.

Na comédia, Dave Skylark (James Franco) e seu produtor Aaron Rapoport (Seth Rogen) trabalham no Skylark Tonight, um programa de TV tão popular que é apreciado até por Kim Jong-Un. Quando descobrem que o ditador é fã do show, eles marcam uma entrevista com ele em Pyongyang, mas os planos muda quando a CIA os recruta para assassinar o líder comunista.

Além de oferecer seu espaço para contrariar o grupo norte-coreano, George R.R. Martin ainda critica a decisão dos cinemas de acatar as exigências do GOP. "O nível da covardice nisso me impressiona", escreveu. "É algo bom o fato de que esses caras [os proprietários de cinemas] não estavam por aqui quando Charlie Chaplin fez O Grande Ditador. Se Kim Jong-Un bota medo neles, Adolf Hitler faria com que eles borrassem as calças."