NOTÍCIAS
12/12/2014 21:25 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Justiça bloqueia R$ 600 milhões das empresas envolvidas no cartel dos trens de São Paulo

TABA BENEDICTO/BRAZIL PHOTO PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

A Justiça Federal bloqueou R$ 600 milhões das contas de cinco multinacionais e de uma empresa brasileira acusadas de participarem do cartel metroferroviário que teria operado entre 1998 e 2008 em São Paulo - governos Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin, todos do PSDB.

O embargo alcança ativos depositados exclusivamente em contas que as multinacionais mantêm no Brasil.

A decisão judicial atende pedido da Polícia Federal que, na semana passada, concluiu o inquérito do cartel e indiciou 33 investigados, entre executivos das multinacionais, lobistas e também o presidente da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), Mário Bandeira, e o diretor de Operações da estatal, José Luiz Lavorente.

A PF indiciou os alvos por corrupção passiva, formação de cartel, corrupção ativa, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e crime licitatório.

O inquérito foi enviado à Justiça Federal no dia 1.º de dezembro. O relatório final foi acompanhado do pedido cautelar para congelamento de valores das empresas. O sequestro pegou as contas da Mitsui, Bombardier, CAF, Siemens e Alstom, além da brasileira T’Trans.

O fundamento do pedido da PF é que as empresas se uniram para a prática de crimes de sua competência.

LEIA TAMBÉM

- Cartel do Metrô em SP: Ministério Público entra com ação e tenta recuperar R$ 418 milhões

- Cartel do Metrô em SP: Ministério Público denuncia 30 executivos por fraudes

- Cade processa 18 empresas por formação de cartel