COMPORTAMENTO
11/12/2014 21:20 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Haters gonna hate: Quando Einstein aconselhou Marie Curie a ignorar o recalque

Reprodução

Marie Curie é um dos maiores cérebros do século XX. Ela foi a primeira mulher a receber um Nobel, e a única pessoa até hoje a ser contemplada com dois prêmios em categorias científicas diferentes -- física, em 1903, e química, em 1911.

Apesar de ser considerada a mãe da radioatividade, Marie Curie sofreu muito na mão de haters preocupados em julgar sua vida pessoal. Pois é, o recalque não começou com o surgimento da internet.

Tudo começou quando Marie ficou viúva de seu parceiro de descobertas, Pierre Curie.

Era hora de virar a página, e ela se envolveu com um aluno de doutorado do marido: o físico Paul Langevin. Apesar de estar separado da esposa, Langevin não havia se divorciado quando o relacionamento começou, e não quis assumir Marie Curie.

O escândalo foi enorme: a ex-mulher de Langevin vazou cartas trocadas entre Marie e seu novo amor para a imprensa.

A cientista, pintada como uma bruxa destruidora de famílias, chegou a ser perseguida e teve de ir morar na casa de um colega até que a história esfriasse.

Chateado com todo aquele chorume, Albert Einstein enviou uma carta a Marie Curie aconselhando-a a ignorar os trolls.

A carta, que pode ser encontrada no banco de dados da Universidade Princeton, começou a circular no Twitter nesta semana.

"Se a ralé continuar a se ocupar com você, então simplesmente não leia aquela bobageira. Apenas deixe para as cobras o que foi para elas fabricado". EINSTEIN, Albert.

Ou seja, se alguém te julgar pelo que você faz ou deixa de fazer, não fique triste. Foi Einstein quem disse: haters gonna hate.

LEIA MAIS

- A vida de um moderador de comentários na internet

- Grazi Massafera não depilou as axilas - e o problema é só dela