COMPORTAMENTO
28/11/2014 21:05 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:53 -02

Anticoncepcionais estão ligados a alterações na estrutura cerebral, diz ciência

Thinkstock

A pílula anticoncepcional foi um dos remédios que mais transformaram a vida das mulheres. Hoje, mais de cem milhões delas usam esse método de contracepção.

Muitas mulheres, porém, têm de encarar efeitos colaterais nada agradáveis, como mudanças de humor, acne e crescimento de pêlos indesejados.

A razão desses efeitos são os progestagênios, imitações sintéticas da progesterona responsáveis pela ação anticoncepcional do remédio. Alguns tipos de progestagênio têm alta atividade androgênica, ou seja, agem de forma mais semelhante a hormônios masculinos. Por isso, com o tempo, os laboratórios foram desenvolvendo pílulas com ação anti-androgênica, para evitar esses efeitos colaterais.

Muitos estudos já observaram esses efeitos colaterais, mas sempre pelo ponto de vista do metabolismo.

O que não se sabia é que, como relata um artigo publicado na revista Brain Research, as pílulas podem estar ligadas a mudanças estruturais no cérebro das mulheres.

Como funcionou a pesquisa?

O estudo da Universidade de Salzberg dividiu sessenta mulheres em três grupos: um terço não tomava pílulas anticoncepcionais, um terço tomava anticoncepcionais com efeitos androgênicos e outro terço tomava anticoncepcionais anti-androgênicos.

Os cientistas detectaram que mulheres que tomavam anticoncepcionais anti-androgênicos tinham um volume bem maior de massa cinzenta em algumas regiões do cérebro, como o hipocampo, responsável pela aprendizagem e a memória, e a área relacionada ao reconhecimento facial.

O tamanho das regiões também era maior conforme o tempo de uso: mulheres que tomavam pílula há mais tempo apresentavam volumes maiores de massa cinzenta nesses pontos.

Por outro lado, em mulheres que tomavam anticoncepcionais com efeitos androgênicos, essas regiões eram menores que nos outros dois grupos.

Para comprovar se aquele aumento de volume tinha efeitos práticos, eles fizeram um teste de reconhecimento facial. As mulheres com aumento de volume cerebral nessas áreas foram melhor na tarefa.

Isso significa que as mulheres precisam trocar de anticoncepcional? Não.

Primeiro porque não há ainda uma pista sobre qual componente do remédio gere este aumento de massa cinzenta. Segundo porque todo anticoncepcional tem suas vantagens e desvantagens.

Por isso, a decisão sobre qual remédio tomar deve sempre ser tomada junto com o seu médico, levando em conta os efeitos sobre o corpo de cada mulher.

LEIA MAIS

- Anticoncepcional masculino pode chegar ao mercado em 2017