NOTÍCIAS
22/11/2014 10:55 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Relatório de comissão interna da FMUSP indica violência crônica com estupros e uso de drogas

Thinkstock

O relatório final produzido por comissão interna da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) apontou que a violência sexual "ocorre de forma repetida" no espaço da instituição. Além disso, há relatos de racismo, uso de drogas e consumo abusivo de álcool. O documento, com propostas de mudanças na universidade, foi enviado anteontem aos membros da congregação da FMUSP e deverá ser votado na quarta-feira (26), como revelou nesta sexta-feira (21) o jornal Folha de S. Paulo.

Em um dos cursos mais concorridos da USP, professores e alunos afirmaram que o abuso moral é prática constante. Uma das principais preocupações é a recepção dos calouros, evento em que casos de violência costumam acontecer.

Na última semana, duas alunas relataram ter sido estupradas em festas da FMUSP, durante audiência pública na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). Um dos casos aconteceu há três anos. O agressor foi indiciado pela polícia nesta semana, como revelou o jornal O Estado de S. Paulo.

Nas festas, o relatório afirma que "há intenso consumo de álcool durante toda a semana". A situação também é grave quando mencionado o uso de drogas. "Experimentam rotineiramente situação de consumo excessivo de drogas lícitas, ilícitas e de prescrição."

Propostas

O documento propõe medidas para melhorar a situação da universidade e influenciar "o processo de mudança de atitudes e valores voltados ao respeito, ética e dignidade" nas escolas médicas do País. Entre elas, está a criação de regras para consumo de álcool nas dependências do complexo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP).

Outra proposta é a criação de instâncias para acolhimento de denúncias, apoio às vítimas e apuração dos fatos. A FMUSP informou, na última semana, que criará órgão com essas funções, chamado Centro de Defesa dos Direitos Humanos. Há ainda sugestão de ampliar os sistemas de vigilância eletrônica.

A médio e longo prazos, os membros da comissão propuseram medidas apresentadas por alunos na audiência da Alesp, como a incorporação de conteúdos de direitos humanos nas atividades da universidade. Há ainda sugestão de revisão nas atividades de recepção dos calouros e criação de regras para autorização de festas.

Em nota, a FMUSP "reafirmou seu compromisso com o combate a qualquer tipo de abuso, seja físico ou moral" no câmpus. A instituição afirmou que abriu sindicância para apurar todos os casos que foram denunciados, além de criar comissões para apurar a situação e propor soluções.

LEIA TAMBÉM

- Música racista e machista de bateria de medicina da USP de Ribeirão Preto gera polêmica nas redes sociais

- Apologia ao estupro por estudantes da UFMG causa polêmica e revolta nas redes sociais

- Um guia da cultura do estupro para o homem cavalheiro