NOTÍCIAS
11/11/2014 17:46 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:45 -02

Novo método para detectar Alzheimer é testado com êxito no Japão

thinkstock

Cientistas japoneses confirmaram nesta terça-feira a eficácia de um novo método capaz de detectar a doença de Alzheimer na fase inicial, sem a necessidade de recorrer aos atuais procedimentos complexos e dolorosos. Ele detectaria pelo sangue o acúmulo de uma das proteínas cerebrais que são reconhecidas como uma das principais causas da doença.

O projeto foi desenvolvido por peritos do Centro Japonês de Geriatria e Gerontologia e uma equipe de cientistas da empresa japonesa Shimadzu, liderados pelo Prêmio Nobel de Química em 2002, Koichi Tanaka, informou a rede pública de televisão japonesa NHK.

Uma das causas do Alzheimer é o acúmulo da proteína beta-amiloide no cérebro. Com o novo teste, a equipe vai analisar como a proteína se acumula e afeta as funções cognitivas do paciente. “O acúmulo de beta-amiloides é o início do Alzheimer, então estamos tentando desenvolver medicamentos para lidar com isso”, disse Katsuhiko Yanagisawa, vice-diretor do centro, ao jornal local Japan Times.

A equipe monitorou 62 pacientes, de 65 a 85 anos, por meio de Tomografia por Emissão de Positrons (PET) e de exames de sangue para detectar o acúmulo da proteína. Utilizando um novo sistema de análise, os pesquisadores conseguem encontrar no sangue pequenas quantidades de uma proteína relacionada aos beta-amiloides que não havia sido vista antes. Através dessa proteína relacionada, é possível prever com precisão se os beta-amiloides estão se acumulando.

O uso prático do teste permitiria detectar o Alzheimer durante controle médico rotineiro, antes que a doença se desenvolva e sem a necessidade de recorrer aos testes atuais de Tomografia por Emissão de Positrons (PET) e do líquido cefalorraquidiano, dois procedimentos complexos e dolorosos. A equipe monitorou 62 pacientes, de 65 a 85 anos, por meio de Tomografia por Emissão de Positrons (PET) e de exames de sangue para detectar o acúmulo da proteína. Utilizando um novo sistema de análise, os pesquisadores conseguem encontrar no sangue pequenas quantidades de uma proteína relacionada aos beta-amiloides que não havia sido vista antes. Através dessa proteína relacionada, é possível prever com precisão se os beta-amiloides estão se acumulando.

O uso prático do teste permitiria detectar o Alzheimer durante controle médico rotineiro, antes que a doença se desenvolva e sem a necessidade de recorrer aos testes atuais de Tomografia por Emissão de Positrons (PET) e do líquido cefalorraquidiano, dois procedimentos complexos e dolorosos.

LEIA MAIS

Adolescente inventa aparelho engenhoso para garantir a segurança de seu avô e de outros pacientes de Alzheimer

A diabete pode aumentar o risco de Alzheimer