NOTÍCIAS
11/11/2014 10:29 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:45 -02

Mais de 3 mil famílias da zona rural da Bahia receberão livros do Programa Arca das Letras

Divulgação / Ministério do Desenvolvimento Agrário

O Programa Arca das Letras promovido pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) realizará intervenções em cinco cidades da Bahia com o objetivo de promover o incentivo à leitura a 3 mil famílias localizadas na zona rural.

Um dos beneficiados será o Manuel Bomfim Sousa, de 75 anos. Agricultor, trabalhou a vida toda para ver os oito filhos formados. Ele só estudou até o 5º ano do ensino fundamental, mas quer levar o pouco que sabe para as famílias da comunidade de Sarapuí, no município de Valença (BA).

Seu Manuel será uma das 48 pessoas que receberá capacitação para se tornar agente de leitura nos municípios baianos de Salvador, Itaparica, Vera Cruz, Valença e Ribeira do Pombal, entre os dias 10 e 12 de novembro. Após a capacitação, os agentes receberão certificados, em uma cerimônia com autoridades locais nas comunidades que ganharão os livros.

“É a realização de um sonho. Há seis anos tento ser agente. Só sinto alegria com isso”, emociona-se Manuel, que garante ter uma coleção de livros em casa. “Gosto de ler de tudo. E agora como agente tenho que ter responsabilidade de não danificar nada aqui”, observa o agricultor

Benefícios

Os municípios beneficiados receberão a biblioteca do Arca das Letras pela primeira vez. Para a coordenadora nacional do Programa, Dione Ferreira, levar a leitura ao campo ainda é um desafio.

“Estamos difundindo o hábito da leitura nessas comunidades que ainda não tinham as bibliotecas rurais, em ambiente familiar. Nós vamos oportunizar para que mais comunidades rurais tenham acesso à leitura. O campo vem sendo o nosso principal objetivo. Queremos alcançar o campo com o livro e a leitura”, afirma Dione ao realçar que é uma tarefa desafiadora.

Saiba mais

Criado em 2003 pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário, o Arca das Letras leva bibliotecas rurais ao interior do País. Os livros ficam em móveis-estante e cada acervo tem 200 livros entre técnicos, didáticos e de literatura jovem e infantil.

Dois voluntários de cada comunidade que recebe a arca são capacitados como agentes de leitura, que cuidam das bibliotecas e do empréstimo dos livros. O programa conta com apoio de organizações de moradores rurais, de parceiros governamentais, ONGs e de doações de livros.

O programa incentiva, além da leitura, o convívio familiar. A ideia é que as arcas, que são móveis de madeira onde fica o acervo, estejam na casa de um agente de leitura, que auxilia na ação.