NOTÍCIAS
04/11/2014 10:25 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Após CEO da Apple assumir homossexualidade, Rússia desmonta monumento em homenagem a Steve Jobs

AP Photo

Um monumento para Steve Jobs, o fundador da Apple, foi desmontado na cidade russa de São Petersburgo depois que Tim Cook, sucessor de Jobs na empresa, assumiu ser gay.

O monumento interativo de dois metros de altura na forma de um iPhone foi erguido do lado de fora de uma universidade de São Petersburgo em janeiro de 2013 - pouco mais de um ano depois da morte de Jobs, em outubro de 2011 - por um grupo russo de empresas chamado ZEFS.

Citando a necessidade de obedecer a lei que combate “propaganda gay”, o ZEFS declarou em um comunicado nesta segunda-feira (3) que o memorial foi removido na sexta-feira (31) – dia no qual o diretor-executivo da Apple anunciou ser homossexual.

Na semana passada, após o anúncio, segundo o Pink News, Vitaly Milonov, o político que idealizou a lei afirmou que Cook “poderia trazer o Ebola, a Aids e a gonorreia para a Rússia”.

“Na Rússia, a propaganda gay e outras perversões sexuais entre menores de idade são proibidas por lei”, afirmou o ZEFS, observando que a homenagem estava “em uma área de acesso direto a jovens estudantes e acadêmicos”.

“Depois que o CEO da Apple, Tim Cook, defendeu publicamente a sodomia, o monumento foi desmontado para cumprir a lei russa que protege as crianças de informações que incentivem a negação dos valores familiares tradicionais.

Cook afirmou, na publicação Businesweek, por escrito: “Deixem-me ser claro: tenho orgulho se der gay, e considerado ser gay um dos maiores presentes que Deus me deu”.

No ano passado, o presidente russo Vladimir Putin estimulou “valores tradicionais” aprovando uma lei que veta a disseminação de “propaganda gay” entre menores.

Putin disse não haver discriminação contra gays na Rússia e que a lei só é necessária para proteger os jovens, embora membros da comunidade gay afirmem que a aprovação da medida aumentou seus problemas.

Com informações da Reuters