COMPORTAMENTO
30/10/2014 10:49 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Gay: Tim Cook, CEO da Apple sai do armário e afirma ter orgulho de ser homossexual

Justin Sullivan via Getty Images
CUPERTINO, CA - SEPTEMBER 09: Apple CEO Tim Cook speaks during an Apple special event at the Flint Center for the Performing Arts on September 9, 2014 in Cupertino, California. Apple announced the new iPhone 6 and Apple Watch. (Photo by Justin Sullivan/Getty Images)

O CEO da Apple Tim Cook, número 1 da empresa, saiu do armário e admitiu ser gay num poderoso texto em primeira pessoa publicado pela Bloomberg Businessweek.

No teto, publicado nesta quinta-feira (30), Cook diz que nunca negou ser gay, mas também nunca havia falado sobre sua sexualidade publicamente até agora: "Vou ser claro: tenho orgulho de ser gay, e considero ser gay um dos grandes presentes que Deus me deu."

Em seu depoimento, ele descreve como sua sexualidade permitiu a ele ter uma perspectiva social única.

"Ser gay me possibilitou ter um compreensão profunda sobre o que significa fazer parte de uma minoria e me deu uma janela para perceber os desafios que as pessoas de outros grupos minoritários enfrentam todos os dias. Isso me tornou uma pessoa com mais empatia e tornou minha vida mais rica. Tem sido difícil e desconfortável em alguns momentos, mas também me deu confiança para ser eu mesmo, para seguir meu caminho e superar a adversidade e o fanatismo."

A sexualidade de Cook tem sido motivo de especulação já há um bom tempo. O site de fofocas Gawker disse que Cook seria gay em 2011, antes mesmo de ele suceder Steve Jobs como número 1 da Apple. Nesta quinta, a principal reportagem do site é justamente sobre a saída do armário de Cook, descrito como o o gay mais poderoso do Silicon Valley (como é conhecida a região na Califórnia que grande número de empresas de tecnologia.

Desde então, o próprio Cook tem dado pistas sobre sua sexualidade. No ano passado, durante um discurso sobre direitos humanos em uma universidade norte-americana ele falou sobre a discriminação que sofreu quando jovem. "Desde os primeiros dias, vi e experimentei diversos tipos de discriminação e todos eles estavam enraizados no medo das pessoas que são diferentes da maioria", afirmou.

No entanto, como o executivo de 53 anos nunca havia saído do armário publicamente, permanecia a dúvida. Em maio, o jornal The New York Times publicou uma reportagem intitulada "Onde estão os CEOs gays?", em que justamente questionava por que tão poucos líderes de grande empresas assumiam publicamente sua sexualidade. A reportagem foi atualizada hoje com a informação de que Cook saiu do armário.

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

LEIA TAMBÉM

- CEO do Mozilla pede demissão depois da polêmica sobre casamento gay

- Nem mulher, nem homem: CEO mais bem paga do mundo se classifica como transhumanista