NOTÍCIAS
15/10/2014 15:24 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:04 -02

Ativista é multada por 'vandalismo exibicionista' contra escultura de Putin em museu da França

Reprodução / Facebook

Uma ativista ucraniana do grupo feminista Femen foi condenada nesta quarta-feira (15) por uma corte de Paris pela acusação de exibicionismo, após ter atacado uma estátua do presidente russo, Vladimir Putin, em um museu de cera da capital francesa.

Iana Zhdanova, com "Kill Putin" (Mate Putin, em tradução livre) escrito sobre o torso nu, atacou a réplica de Putin no Museu Grevin com uma estaca de madeira, em junho.

A ativista, que mora na França há dois anos com o status de refugiada política, riu no tribunal depois que o juiz a ordenou a pagar uma multa de €1.500 (US$ 1.897) por vandalismo e um crime chamado "exibição sexual" na França, assim como outros danos a serem pagos ao Museu Grevin.

"Estou rindo porque isso é muito estranho", disse Zhdanova, 26, do lado de fora do tribunal. "Estou muito surpresa com essa decisão."

A advogada de Zhdanova, Marie Dose, disse ter sido a primeira vez que uma corte francesa condenou uma integrante do Femen por exibição sexual, acrescentando que a decisão seria um precedente que iria restringir a capacidade do grupo protestar. Marie disse que iria recorrer da decisão.

O Femen faz manifestações com o objetivo de chamar atenção para os direitos das mulheres, sobretudo em países cuja hierarquia é dominada por homens, como a Rússia e aliados da antiga União Soviética, tendo Putin como principal alvo.

"Em uma sociedade como a nossa, onde a exposição de mensagens comerciais (sexuais) estão em toda parte, não faz nenhum sentido", disse Dose.

A escultura de cera de Putin tombou durante o ataque e uma parte da cabeça se esfacelou. A peça está desde então em reparos.

Recentemente, um tribunal absolveu nove integrantes do Femen que protagonizaram um protesto com topless dentro da catedral de Notre Dame, em Paris, no ano passado.