NOTÍCIAS
12/10/2014 13:02 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:04 -02

Mudança de governo ajuda a retomar credibilidade na economia, diz pesquisadora da FGV

Montagem/Estadão Conteúdo

Mudanças em relação à confiança econômica do Brasil em 2015 não serão fáceis para nenhum governo, avaliou a economista Silvia Matos, coordenadora técnica do Boletim Macro Ibre e pesquisadora da Fundação Getúlio Vargas, em entrevista ao Broadcast ao Vivo. Ela acredita, porém, que apenas a troca de governo deve ajudar a retomar a credibilidade de empresários e consumidores na economia, porque é dado o benefício da dúvida ao novo governante.

"Há descompasso entre oferta e demanda, mesmo com o PIB (Produto Interno Bruto) baixo. Sem dúvida, um dos grandes desafios para o próximo governo é aumentar a capacidade do crescimento pelo lado da oferta. Sem isso, o PIB vai crescer muito pouco mesmo", afirmou. Segundo ela, políticas setoriais de curto e médio prazos não resolvem o problema da produtividade.

Na opinião de Silvia, a equipe econômica do próximo presidente da República - que será Dilma Rousseff (PT) ou Aécio Neves (PSDB) - deve ser "independente de lobby setorial" e adotar medidas que beneficiem a todos os setores da economia. "É preciso clareza da consistência política para favorecer não só a um setor, mas a economia como um todo", disse.

Para a economista, a credibilidade na economia brasileira virá não só de nomes, mas de um plano de reformas a serem apresentadas pelo novo presidente. Ela destacou, porém, que é mais difícil para o governo atual conseguir reverter a confiança econômica.

Câmbio

Silvia ainda ressaltou que o modelo atual de câmbio, marcado por intervenções, não é sustentável e pode criar volatilidade. Segundo ela, neste momento, é natural que o câmbio fique mais depreciado, pois há mudanças na taxa real de equilíbrio, com os termos de troca desfavoráveis para a economia doméstica. "Sou favorável ao câmbio flexível, mas isso tem de estar ancorado em outras questões macroeconômicas, como o fiscal sólido e um Banco Central independente", ponderou.

Sobre o mercado de trabalho, a professora do Ibre/FGV disse que a tendência é de aumento na taxa de desemprego ao longo de 2015, pois a expectativa é que mais pessoas possam voltar ao mercado de trabalho para complementar a renda. Esse movimento, disse, pode ser mais ou menos intenso, a depender do conjunto de medidas a serem adotadas pelo próximo presidente da República.

"Mesmo que o País possa crescer um pouco mais em 2015 (por conta da base baixa este ano), os setores mais sensíveis ao desemprego, como o de serviços e da construção civil, estão sofrendo bastante. Não há perspectiva de crescimento do emprego neste e no ano que vem", concluiu.

LEIA TAMBÉM

- Fim da ‘novela': Marina Silva anuncia apoio a Aécio Neves no segundo turno eleitoral

- Com a benção da família de Eduardo Campos, Aécio Neves evita maioridade penal e abraça parte das demandas de Marina

- Sensus/IstoÉ: Aécio abre 17 pontos de vantagem sobre Dilma na corrida presidencial

- ‘Saco de pancada' do PT, ex-presidente Fernando Henrique Cardoso reage e critica Lula (VÍDEO)

- Dilma e PT apontam ‘tentativa de golpe' com vazamento de depoimentos de CPI e pesquisas eleitorais ‘suspeitas'